Meteorologia

  • 30 JULHO 2021
Tempo
27º
MIN 16º MÁX 27º

Edição

Parques de campismo abertos mas "praticamente vazios"

Os parques de campismo "estão praticamente vazios", mas "é positivo" que se mantenham em funcionamento durante o confinamento geral devido à covid-19, avançou hoje a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal (FCMP).

Parques de campismo abertos mas "praticamente vazios"
Notícias ao Minuto

13:54 - 15/01/21 por Lusa

País Covid-19

"Apenas os parques associativos têm algumas pessoas, pessoas idosas que estão sozinhas em casa e que preferem estar nos parques de campismo em contacto com a natureza, têm lá os seus amigos, os seus apoios", afirmou o presidente da FCMP, João Queiroz, revelando que a ocupação dos parques associativos, no total de 32 de norte a sul de Portugal continental, "anda entre os 10% e os 15%".

Em declarações à agência Lusa, o dirigente da federação assegurou que os parques de campismo "estão a funcionar cumprindo todas as regras como está determinado", inclusive com o encerramento dos parques infantis e das piscinas.

"Há todas as condições para manter os distanciamentos, para manter tudo desinfetado, para ter o restaurante fechado, mas com possibilidade de 'take-away'", reforçou o presidente da FCMP, adiantando que os mercados que existem nalguns parques de campismo mantêm-se em funcionamento.

Congratulando-se com a decisão de os parques de campismo poderem manter-se de portas abertas, em oposição ao confinamento geral em março e em abril de 2020, em que foram obrigados a encerrar, João Queiroz defendeu que a atual medida se deve ao profissionalismo dos trabalhadores dos parques, que estão "a cumprir, com todo o rigor, com as regras todas".

"Não aconteceu, em nenhum parque, nenhum surto", destacou o dirigente da federação de campismo.

Sobre a atividade após o primeiro confinamento geral, em que voltaram a abrir em 18 de maio de 2020, o presidente da FCMP lembrou que as áreas de campismo foram sujeitas à limitação a 2/3 na ocupação e que depois houve o caso da Câmara de Almada que impôs o limite de 50% na ocupação, para dizer que, com a redução da ocupação, "o negócio baixou muito".

"Houve zonas no litoral em que as pessoas procuraram ir para a praia, em que houve alguma pressão [das áreas de campismo] e daí que a lotação tenha estado ao nível do que foi determinado superiormente, alguns com 75%, outros com 50%, depois de terem aberto", expôs João Queiroz, assegurando que as limitações na ocupação foram cumpridas, inclusive com uma escala de rotatividade das pessoas nos parques.

Relativamente à situação dos trabalhadores, a federação diz que tem feito "um esforço no sentido de garantir os salários a todos os seus profissionais, quer nos parques, quer na serra, mesmo na área desportiva".

Após uma reunião com os presidentes dos parques de campismo associativos, que decorreu na quinta-feira, o presidente da FCMP não teve nenhuma informação quanto à intenção de colocar trabalhadores em regime de 'lay-off'.

"Como os parques estão abertos e têm de ter a necessária limpeza e a desinfeção regular periódica durante o dia, todos os parques estão a fazer um esforço no sentido da manutenção dos postos de trabalho", indicou João Queiroz.

Em relação às perspetivas para os próximos tempos, o dirigente da federação de campismo ressalvou que é preciso aguardar, mas manifestou-se confiante de que a atividade possa a voltar ao registo de anos anteriores: "sem dúvida, o campismo sempre teve procura e com o crescimento do turismo e com aquelas promoções de pacotes turísticos a nível dos hotéis, os parques nunca deixaram de ter procura".

Integrando os estabelecimentos turísticos e estabelecimentos de alojamento local, os parques de campismo fazem parte do conjunto de 52 tipos de atividade que podem continuar a funcionar durante o confinamento geral devido à covid-19, em vigor entre as 00:00 de hoje e as 23:59 de 30 de janeiro, e que se aplica a todo o território de Portugal continental, de acordo com o diploma do Governo.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Leia Também: País em confinamento e outras 3 coisas que deve saber para começar o dia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório