Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2021
Tempo
14º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

AR homenageia "traço" de Cruzeiro Seixas, "um dos últimos surrealistas"

A Assembleia da República aprovou hoje, por unanimidade, um voto de pesar pela morte do artista Artur do Cruzeiro Seixas, recordando o "traço de um dos últimos surrealistas" e "decano dos artistas portugueses".

AR homenageia "traço" de Cruzeiro Seixas, "um dos últimos surrealistas"
Notícias ao Minuto

14:43 - 26/11/20 por Lusa

País Óbito

O voto de pesar, apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, foi aprovado por unanimidade em sessão plenária.

No texto que homenageia o artista, Cruzeiro Seixas é recordado como "decano dos artistas portugueses e um dos últimos surrealistas, movimento que integrou com Mário de Cesariny, Carlos Calvet ou Marcelino Vespeira, e a que foi fiel, na arte e na vida, até ao último dos seus dias".

"O seu desaparecimento -- sem dúvidas, um dos artistas que mais marcaram a evolução da arte contemporânea em Portugal -- constitui uma enorme perda para o nosso País e para as artes a nível internacional, ou não fosse o traço de Cruzeiro Seixas o traço de um dos últimos surrealistas vivos", sublinha o voto.

O artista Artur Cruzeiro Seixas morreu no passado dia 08 de novembro, aos 99 anos, no Hospital Santa Maria, em Lisboa. Foi um dos nomes fundamentais do Surrealismo em Portugal e autor de um vasto trabalho no campo do desenho e pintura, mas também na poesia, escultura e objetos/escultura.

Cruzeiro Seixas, cuja obra está representada em coleções como as do Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Cupertino de Miranda, faria 100 anos a 03 de dezembro.

Foi também aprovado por unanimidade um outro voto de pesar apresentado por Ferro Rodrigues, de homenagem pelo "multifacetado jornalista" Artur Portela Filho, vítima da pandemia da covid-19, aos 83 anos.

"Nascido no seio de uma família de escritores, pintores e jornalistas, e filho do histórico jornalista Artur Portela, de quem herdou o nome, Artur Portela Filho foi um multifacetado jornalista, aliando os dotes da escrita aos da investigação, numa longa carreira", recorda o texto apresentado.

Jornalista, escritor, publicitário, investigador, com formação em História, Artur Portela nasceu em 1937 numa família de escritores e jornalistas; herdou do pai o nome, mas assinava Artur Portela Filho.

Fundou e dirigiu nos anos 1970 o Jornal Novo e depois o semanário Opção, passou pela redação de vários meios de comunicação, como Diário de Lisboa, A Capital, TSF e RTP.

Artur Portela Filho publicou vários volumes de crónicas, sempre de observação atenta à atualidade política e social, nomeadamente "A Feira das Vaidades" e "A funda", que ainda afrontaram o regime do Estado Novo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório