Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2020
Tempo
17º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Hospital Gaia/Espinho esgota cuidados intensivos e prepara alargamento

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) atingiu hoje a lotação máxima de cuidados intensivos para doentes covid-19, tendo iniciado um plano de alargamento para disponibilizar mais nove camas a infetados pelo coronavírus, revelou fonte daquela entidade.

Hospital Gaia/Espinho esgota cuidados intensivos e prepara alargamento

De acordo com dados que reportam às 24:00 de terça-feira, o CHVNG/E conta com 21 doentes internados com covid-19 em enfermaria e 12 na unidade de cuidados intensivos.

Fonte desta unidade hospitalar revelou à agência Lusa que a capacidade instalada em cuidados intensivos para doentes com covid-19 foi esgotada, uma vez que são exatamente 12 as camas alocadas a casos associados ao novo coronavírus, mas explicou que "já está em curso o plano de alargamento".

"O nosso plano prevê o alargamento dos cuidados intensivos de doentes covid-19 para a Unidade de Cuidados Pós Anestésicos (UCPA), ou seja mais nove camas", descreveu.

Quanto a doentes não covid, este centro hospitalar mantém as áreas de cuidados intermédios e de cuidados intensivos de cardiologia, "o que permite expandir de 12 para 46 camas de cuidados intensivos", acrescentou a mesma fonte, frisando que "em função da evolução da pandemia, o plano de contingência [deste hospital] prevê a sucessiva alteração de áreas não covid para covid".

O centro hospitalar prevê abrir em novembro a nova unidade de cuidados intensivos, cujas obras decorrem desde início de setembro.

A 07 de outubro, em entrevista à agência Lusa, o presidente do conselho de administração do CHVNG/E, Rui Guimarães, referiu que a obra decorre "em tempo recorde" e que terá, numa lógica de 'open space' (espaço aberto), 18 camas de nível 3 e 10 de nível 2, estas com a passibilidade de passar ao nível superior se necessário.

O investimento, que ronda os 3,3 milhões de euros, já fazia parte da fase C de obras do plano de reestruturação do CHVNG/E, mas foi antecipado.

Somando as camas existentes e as que vão ser criadas na nova unidade, o CHVNG/E terá uma capacidade total de 67 camas em cuidados intensivos.

Já hoje, em declarações à RTP, Rui Guimarães contou que "desde que foi decretado o estado de calamidade ocorreu um aumento em cuidados intensivos de 140%", o que já levou a "cancelar algumas cirurgias" e a "alocar outro espaço" a cuidados intensivos, referindo-se à UCPA.

O responsável também mostrou preocupação com o aumento de atividade da urgência, precisando que na terça-feira registaram-se 414 atendimentos, um número muito superior ao do mesmo dia do ano passado, quando o CHVNG/E registou 296.

Além da obra dos cuidados intensivos decorre a da nova urgência que terá cerca de 5.000 metros quadrados (a atual tem 1.900), uma aspiração antiga e que faz parte da fase B do plano de obras do CHVNG/E.

"Será uma resposta importante. Mas não a que resolverá todos os problemas. Costumo dizer: o CHVNG/E até pode ter 500 ventiladores disponíveis, mas nunca vão ser suficientes se o comportamento das pessoas não acompanhar as respostas montadas na saúde e o empenho das equipas", disse Rui Guimarães, a 07 de outubro à Lusa sem precisar o dia de abertura.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.229 em Portugal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório