Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Disco rígido de Rui Pinto tinha 488 caixas de correio configuradas

Um dos discos rígidos apreendidos a Rui Pinto, que foi desencriptado pelo criador do Football Leaks e identificado pela Polícia Judiciária (PJ) como RP3, tinha 488 caixas de correio configuradas, indicou hoje o especialista José São Bento.

Disco rígido de Rui Pinto tinha 488 caixas de correio configuradas

A parte da tarde da 8.ª sessão do julgamento, no Tribunal Central Criminal de Lisboa, foi totalmente ocupada pela audição do elemento da unidade de combate ao cibercrime e criminalidade tecnológica da PJ e teve um cariz fortemente técnico, com a análise de ficheiros e programas de software encontrados no disco que consubstanciavam os acessos aos sistemas informáticos das entidades nomeadas na acusação a Rui Pinto.

José São Bento explicou que o criador do Football Leaks não só tinha as credenciais, mas também os certificados digitais necessários para contornar os mecanismos de verificação dos sistemas informáticos de algumas entidades atacadas, como a Federação Portuguesa de Futebol (FPF), a sociedade de advogados PLMJ, a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Sporting ou o fundo de investimento Doyen.

"Encontrámos linhas de execução de instalação de software que permite explorar debilidades e fazer o rastreamento a equipamentos e a nível de rede", referiu o especialista da Judiciária, que identificou ainda "programas para capturar credenciais" e "protocolos de transferência de ficheiros" naquele disco: "Encontrámos registos de acesso inequívoco à FPF e capturas de ecrãs das credenciais dentro do sistema da PLMJ".

Segundo José São Bento, havia também registos dos processos de interceção de credenciais, sobretudo através do redirecionamento da informação para páginas de internet similares àquelas que os utilizadores procuravam e que, na verdade, permitiam a recolha dos dados de acesso. Por exemplo, em relação à FPF, foi destacado um "acompanhamento continuado" de Rui Pinto, que atualizou mesmo a página quando a Federação fez alterações no site.

A audição do especialista da PJ foi de tal forma técnica, que, em determinados momentos, foram notórios os olhares de perplexidade de juízes e advogados, aos quais se somaram algumas gargalhadas quando a juíza assistente Ana Paula Conceição resumiu a limitação dos conhecimentos informáticos do coletivo de juízes: "Nós é mais homicídios."

O julgamento do processo Football Leaks prossegue na próxima terça-feira, com a continuação da audição de José São Bento.

Rui Pinto, de 31 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada.

O criador do Football Leaks encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, "devido à sua colaboração" com a Polícia Judiciária (PJ) e ao seu "sentido crítico", mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório