Meteorologia

  • 12 DEZEMBRO 2019
Tempo
16º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Pais de bebé Matilde: "Para nós, o menos importante é o dinheiro"

Pais da bebé garantem total "transparência" na gestão dos donativos angariados na onda de solidariedade. Dinheiro será usado para ajudar outras crianças.

Pais de bebé Matilde: "Para nós, o menos importante é o dinheiro"

Pais da bebé Matilde, a criança que sofre de atrofia muscular espinal tipo 1 e que motivou uma onda de solidariedade no país, prestam esclarecimentos sobre o estado de saúde da filha e sobre eventuais dúvidas relacionadas com os donativos.

Começando por agradecer a todos por estarem presentes, o pai de Matilde disse que já era intenção do casal “esclarecer alguns pontos, rumores, especulações, mas principalmente falarmos sobre o estado da nossa filha, há-de ser sempre o mais importante para nós".

Outro dos objetivos do esclarecimento é "mostrar a total transparência para com o povo português, temos um compromisso e não vamos falhar de todo”, assegurou o pai numa conferência de imprensa esta quinta-feira. 

“O dia 27 de agosto foi uma data muito importante para nós. Foi o renascer da Matilde”, prosseguiu, acrescentando que o sentimento agora é um misto entre as expectativas e a noção de um longo caminho a percorrer.

“Estamos com enormes expectativas mas com os pés bem assentes no chão. Sabemos que há um longo caminho a percorrer. A minha filha vai precisar de muitas terapias, equipamentos, acessórios, ..”, disse, lembrando que o tratamento que Matilde recebeu não termina com a toma do mesmo. “Quem nos dera a nós que fosse assim”. Matilde, assim como Natália, vão precisar de ser acompanhadas, primeiramente, todas as semanas, depois mensalmente, conforme explicou a equipa médica na quarta-feira.

Para os pais da bebé que emocionou o país, a maior barreira já foi derrubada. “O mais difícil foi conseguir que a minha filha tomasse o Zolgensma. Sem os portugueses nada disto tinha sido possível (...) Foi o mediatismo que tornou isto possível. Não havia outra forma de o fazer cá em Portugal”, disse, lembrando que o objetivo do casal era ir para os EUA para a menina receber o tratamento. Acontece que, quando a meta dos dois milhões foi alcançada, Matilde estava internada nos cuidados intensivos, pelo que não reunia condições para fazer tal viagem, explicou.

Conta é monitorizada pelo banco

Depois de o valor pretendido ter sido atingido, “não conseguimos ficar parados”, contou a mãe da bebé, explicando que, apesar de o principal foco ser a Matilde, iniciaram contactos com outros pais de crianças com a mesma patologia, com quem têm mantido sempre contacto, e que são por si ajudadas. No total, os pais de Matilde estão a ajudar 10 famílias. Estas crianças, que padecem de doenças neuromusculares, “não podem esperar um ano, um ano e meio por uma cadeira que quando chega já não está adequada”, vincou a mãe. 

“Para nós, a coisa menos importante é o dinheiro. Não estamos preocupados com o dinheiro. O importante é ver uma criança a sorrir e dar alento aos pais”, garantiu o pai, trazendo à memória conversas dos outros pais sobre as ajudas: “[Dizem-nos] que é melhor do que sair o euromilhões porque se trata da saúde dos filhos. Isso para nós é o mais importante nisto tudo”, assegurou, dando conta que há mês e meio que a conta solidária está bloqueada e que deixaram de atualizar o montante angariado por indicação da Caixa Geral de Depósitos, por questões de “segurança”. 

“Desde o início que dissemos que o pedido de ajuda era para irmos para os Estados Unidos, para o medicamento Zolgensma, para terapias e para ajudar outras crianças. Escrevemos uma carta para o Ministério da Administração Interna com estas indicações e foi aprovado. Quem monitoriza a conta é o banco e, se detetar algo de ilícito, tem de comunicar às autoridades competentes”, explicou o pai da menina. 

O desespero dos pais levou-os a pedir ajuda no Facebook. Portugal uniu-se numa onda de apoio e solidariedade à pequena Matilde, tendo sido angariados os 2 milhões de euros necessários para suportar os custos do medicamento. Porém, o Estado viria a comparticipar na totalidade a despesa associada ao fármaco.

Quer a bebé Matilde, quer a bebé Natália receberam o ‘medicamento mais caro do mundo’ na terça-feira. Durante essa tarde, a equipa clínica do Hospital de Santa Maria disse, em conferência de imprensa, que tudo "correu muitíssimo bem". As bebés ficaram em vigilância tendo, entretanto, ambas tido alta.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório