Meteorologia

  • 19 MARçO 2019
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 12º

Edição

A Igreja finalmente reconheceu que "a ocultação de um crime, é crime"

Francisco Louçã admite que a Cimeira sobre o abuso sexual na Igreja é uma boa novidade, mas garante que ainda há “tabus” por resolver, como o papel das mulheres e o celibato.

A Igreja finalmente reconheceu que "a ocultação de um crime, é crime"
Notícias ao Minuto

23:43 - 22/02/19 por Natacha Nunes Costa 

País Francisco Louçã

Os olhos do mundo estão postos no Vaticano, onde está reunida a hierarquia católica, desde quinta-feira e até domingo, para perceber o que vai sair da cimeira sobre os abusos sexuais cometidos pelo clero ao longo dos anos.

O histórico encontro tem feito correr muita tinta e, esta sexta-feira, foi Francisco Louçã que falou sobre o mesmo no seu espaço de comentário semanal na SIC Notícias.

Para o fundador do Bloco de Esquerda (BE) não há dúvidas que este é “um momento de viragem” e que a Igreja finalmente reconheceu que ocultar crimes é, só por si, para o Direito Civil, um crime.

“A ocultação do crime é um crime julgado pela lei civil e o facto da Igreja reconhecer isto de uma forma tão explícita agora, torna claro que finalmente percebeu que há este risco. É notável e simbólico que a reunião ocorra e que torne tão visível a culpa da Igreja Católica neste contexto”, começou por dizer.

Contudo, para Louçã também não há dúvidas que há tabus e dogmas sobre os quais o Vaticano ainda não está pronto para se debruçar, mas que acabam por contribuir para a problemática dos abusos no seio da Igreja Católica.

“O que não está em cima da mesa são dois tabus muito importantes. O papel das mulheres na Igreja, que não podem ter nenhum relevo na Igreja Católica, e, mais importante ainda, a ideia do celibato […]. Isto põe um problema. Esta combinação da hipersexualização com o facto de haver uma necessidade de uma vida sexual normal, das pulsões sexuais não poderem ser realizadas, faz com que haja um sistema de poder silencioso nos seminários e outros lugares onde se descobre que tantas violações ocorreram. Este poder silencioso acentuou o risco destes crimes”, sublinhou, acrescentando que a Igreja tem de refletir sobre isto.

“A Igreja tem de pensar sobre isto, tem de pensar sobre a sua relação com o mundo, a sua relação com a felicidade das pessoas, com a responsabilidade, com a autonomia e isso creio que ainda não está em cima da mesa, mas na escala da história da Igreja são dogmas tão recentes... um dia podiam também ser corrigidos”, concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório