Meteorologia

  • 26 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 22º

Maioria dos chineses deseja elevação de Xi Jinping a "líder central"

"A maioria dos chineses" deseja que o atual secretário-geral do Partido Comunista (PCC), Xi Jinping, seja um "líder central", com o estatuto do antigo Presidente Mao Zedong, revelou uma sondagem publicada hoje na imprensa oficial.

Maioria dos chineses deseja elevação de Xi Jinping a "líder central"
Notícias ao Minuto

09:48 - 26/10/16 por Lusa

Mundo Estatuto

As referências a um estilo de governação centrada no líder têm-se multiplicado, numa altura em que cerca de 400 altos quadros do PCC estão reunidos em Pequim para discutir o futuro da organização.

A referida sondagem, com uma amostra de 15.000 pessoas, foi difundida pelo Tribuna do Povo, revista do grupo do Diário do Povo, o jornal oficial do partido.

O estudo revela que a "maioria" dos inquiridos concorda "que a ascensão de uma grande nação necessita de um líder forte e central".

"As qualidades especiais do secretário-geral Xi Jinping, como líder de uma grande nação, conquistaram a aprovação da grande maioria dos inquiridos", escreveu a revista

Todos os setores da sociedade "aguardam com enorme expectativa" a ascensão de Xi Jinping, acrescenta.

O artigo que acompanha os resultados da sondagem compara ainda Xi a Mao Zedong, o fundador da República Popular, e a Deng Xiaoping, o "arquiteto-chefe das reformas económicas" que abriram a China à economia de mercado.

"Foi o Presidente Mao que ergueu o povo [chinês], ou de outra forma andaríamos perdidos na escuridão", refere, acrescentando que Deng converteu a China num país rico.

"Agora, a China deve fortalecer-se, o cidadão comum sabe disso. E para atingir esse objetivo devemos confiar no secretário Xi", aponta.

Formalmente, Xi Jinping acumula já mais poder do que todos os anteriores Presidentes chineses, desde o fim do "reinado" de Mao Zedong.

A sua campanha anticorrupção, lançada em 2013, é considerada a mais persistente e ampla na história da China comunista e resultou já na punição de um milhão de membros, segundo dados recentes difundido pelo órgão de Disciplina e Inspeção do PCC.

O partido único da China tem 88 milhões de membros.

Os dois casos mais mediáticos envolveram a prisão do antigo chefe da Segurança Zhou Yongkang e do ex-diretor do Comité Central do PCC e adjunto do antigo presidente Hu Jintao, Ling Jihua.

Cimentado pelos líderes chineses desde finais dos anos 1970, o sistema de "liderança coletiva" parece ter sido também desmantelado desde que Xi chegou ao poder.

Analistas ocidentais admitem já que este poderá ficar no poder para além do período previsto de dez anos.

O sexto plenário do Comité Central, o último antes da liderança do partido ser remodelada no próximo ano, aborda as "regras da disciplina interna" no PCC e "as diretrizes para a vida política" dos seus membros, segundo a agência oficial Xinhua.

Os inquiridos pelo Tribuna do Povo dizem admirar o pensamento estratégico de Xi, a coragem com que enfrenta os problemas e o seu "carisma pessoal".

O enfraquecimento da "liderança central" pode "facilmente causar guerra civil, a invasão por inimigos estrangeiros e pôr o povo na miséria", lê-se no artigo.

"Isto é uma dura lição que aprendemos com os 100 anos de sangue e lágrimas na recente história da China", conclui, numa referência ao "século de humilhação", um período que se refere à ocupação estrangeira e vai desde a primeira guerra do ópio (1839 - 1842) ao fim da ocupação japonesa durante a Segunda Guerra Mundial.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório