Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
29º
MIN 16º MÁX 29º

Líder dos talibãs alerta contra a riqueza e as honras mundanas

O líder supremo dos talibãs, Hibatullah Akhundzada, avisou hoje os afegãos contra ganhar dinheiro ou ganhar honras mundanas num momento em que o país atravessa graves crises humanitárias e está isolado no cenário global.

Líder dos talibãs alerta contra a riqueza e as honras mundanas
Notícias ao Minuto

16:34 - 17/06/24 por Lusa

Mundo Afeganistão

Akhundzada fez este alerta num sermão que marcou a festa de Eid al-Adha numa mesquita na província de Kandahar, no sul do Afeganistão, semanas antes de uma delegação dos talibãs se deslocar a Doha, no Qatar, para conversações organizadas pelas Nações Unidas sobre o estado do país.

Esta será a primeira ronda de negociações nas quais os talibãs participarão desde que tomaram o poder do Afeganistão em agosto de 2021.

Nenhum Estado reconhece o Governo dos talibãs como poder legítimo do Afeganistão, cuja economia dependente da ajuda humanitária mergulhou numa profunda crise após a sua chegada ao poder.

O porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, disse que o convite para a reunião de Doha no final de junho não implica o reconhecimento dos talibãs.

Akhundzada lembrou aos afegãos os seus deveres como muçulmanos e fez repetidos apelos à unidade, no seu sermão de 23 minutos.

Mensagens desta e de outra figura influente dos talibãs, Sirajuddin Haqqani, para marcar um festival religioso em abril, revelaram tensões entre a linha dura e os elementos mais moderados que querem abandonar políticas mais severas e atrair mais apoio externo.

Na mensagem de hoje, Akhundzada disse que deseja a fraternidade entre os muçulmanos e que está descontente com as diferenças entre os cidadãos e as autoridades talibãs.

A dissidência pública sobre os decretos talibãs é rara e os protestos são rapidamente e por vezes violentamente reprimidos.

"Fomos criados para adorar Alá e não para ganhar dinheiro ou honras mundanas", disse Akhundzada.

"O nosso sistema islâmico é o sistema de Deus e devemos apoiá-lo. Prometemos a Deus que traremos justiça e lei islâmica [ao Afeganistão], mas não podemos fazer isso se não estivermos unidos. O benefício da sua desunião chega ao inimigo; o inimigo tira vantagem disso", defendeu o líder talibã.

Os talibãs usaram a sua interpretação da lei islâmica para proibir o acesso das raparigas à educação, se tiverem mais de 11 anos, proibir as mulheres de espaços públicos, excluí-las de muitos empregos e impor códigos de indumentária e requisitos de tutela masculina.

Akhundzada disse aos oficiais talibãs para ouvirem os conselhos dos estudiosos religiosos e confiarem-lhes autoridade, lembrando que as autoridades não devem ser arrogantes, vangloriar-se ou negar a verdade sobre a lei islâmica.

Leia Também: Talibãs participam pela primeira vez nas conversações internacionais

Recomendados para si

;
Campo obrigatório