Meteorologia

  • 25 JULHO 2024
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 28º

Ucrânia. Brasil entre os países que não assinaram comunicado da cimeira

O Brasil foi um dos países que não assinaram hoje o comunicado final da Cimeira para a Paz na Ucrânia, documento que pede o envolvimento de todas as partes nas negociações de paz e "reafirma a integridade territorial" ucraniana.

Ucrânia. Brasil entre os países que não assinaram comunicado da cimeira
Notícias ao Minuto

14:24 - 16/06/24 por Lusa

Mundo Cimeira

Segundo a agência noticiosa espanhola Efe, entre os países presentes que não assinaram o comunicado estão os Estados-membros do BRICS, um bloco de países composto por Brasil, Índia e África do Sul, bem como pelas ausentes China e Rússia.

Também não subscreveram o documento Arménia, Barém, Indonésia, Líbia, Arábia Saudita, Tailândia, Emirados Árabes Unidos e México.

A declaração, que pede que "todas as partes" do conflito estejam envolvidas para se alcançar a paz, foi subscrita por 84 países, incluindo os da União Europeia, Estados Unidos da América, Japão, Argentina, Somália e Quénia.

O texto, citado pela agência France-Presse (AFP), reafirma "os princípios da soberania, da independência e da integridade territorial de todos os Estados, incluindo a Ucrânia".

A decisão de alguns países de não assinar a declaração foi aceite Ucrânia, que considerou que o objetivo da reunião era dar voz a todas as opiniões.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dimitro Kuleba, citado pela Europa Press, registou que o evento pretendia promover "o diálogo franco" para "chegar às decisões certas".

"Reunir toda a gente para falar em uníssono sobre a Rússia era precisamente o tipo de evento que não agrada a Moscovo", indicou.

A Presidente suíça, anfitriã da cimeira, Viola Amhard, reconheceu no sábado que não tinha ilusão de que fosse possível haver um "entendimento final" na cimeira, mas considerou possível que o encontro aproximasse todos os participantes desse objetivo.

Na sexta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, prometeu ordenar imediatamente um cessar-fogo na Ucrânia e iniciar negociações se Kyiv começasse a retirar as tropas das quatro regiões anexadas por Moscovo em 2022 e renunciasse aos planos de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês).

As reivindicações constituem uma exigência de facto para a rendição da Ucrânia, cujo objetivo é manter a sua integridade territorial e soberania, mediante a saída de todas as tropas russas do seu território, além de Kyiv pretender aderir à aliança militar.

As condições colocadas por Moscovo foram rejeitadas de imediato pela Ucrânia, pelos Estados Unidos da América e pela NATO.

A conferência para a paz na Ucrânia, organizada pela Suíça na sequência de um pedido do Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, juntou representantes de quase uma centena de países e organizações - metade dos quais da Europa -, mas foram várias as ausências (foram dirigidos convites a 160 delegações de todo o mundo).

A ausência de maior peso foi a da Rússia, que lançou a guerra na Ucrânia em fevereiro de 2022 e não foi agora convidada. O Kremlin (Presidência russa) contou com a 'solidariedade' de vários países, que rejeitaram participar na cimeira dada a sua ausência, como sucedeu com a China.

[Notícia atualizada às 15h24]

Leia Também: Países defendem participação da Rússia em cimeira para credibilizar paz

Recomendados para si

;
Campo obrigatório