Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 29º

Egito vai deixar entrar ajuda da ONU a Gaza via Israel

O Presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, comprometeu-se com o homólogo norte-americano Joe Biden a "deixar passar a ajuda humanitária fornecida pela ONU [a Gaza] através da passagem de Kerem Shalom", no sul de Israel, indicou hoje a Casa Branca.

Egito vai deixar entrar ajuda da ONU a Gaza via Israel
Notícias ao Minuto

19:59 - 24/05/24 por Lusa

Mundo Médio Oriente

"Isso vai ajudar a salvar vidas", referiu a Casa Branca (presidência dos Estados Unidos) num comunicado, em que precisou que o compromisso assumido pelo líder do Egito ocorreu durante uma conversa telefónica com Biden.

Na mesma nota informativa, a Casa Branca referiu que Joe Biden se mostrou "totalmente empenhado" em garantir a reabertura de Rafah, outro ponto de passagem estratégico situado na fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza.

Israel, que prossegue as operações militares em Rafah, assumiu no início de maio o controlo deste posto fronteiriço, com a imposição de um bloqueio total à ajuda humanitária.

Os dirigentes egípcio e norte-americano também abordaram hoje "novas tentativas destinadas a libertar imediatamente os reféns e instaurar um cessar-fogo imediato e duradouro" no enclave palestiniano.

Após mais de sete meses de guerra, a situação humanitária no território palestiniano permanece alarmante.

O conflito em curso na Faixa de Gaza foi desencadeado pelo ataque do grupo islamita Hamas em solo israelita de 07 de outubro de 2023, que causou cerca de 1.200 mortos, na maioria civis, segundo dados oficiais israelitas.

Nesse dia, 252 pessoas também foram feitas reféns e enviadas para o território palestiniano. Atualmente, 121 pessoas permanecem retidas em Gaza, dos quais 37 já estarão mortas, segundo o Exército de Telavive.

Em resposta, as forças militares israelitas desencadearam uma ofensiva devastadora na Faixa de Gaza, onde o Hamas, classificado como "organização terrorista" por Israel, União Europeia e Estados Unidos, assumiu o poder em 2007.

Pelo menos 35.800 palestinianos, na larga maioria civis, já foram mortos e cerca de 80.000 feridos, segundo os dados do Ministério da Saúde local, tutelado pelo Hamas.

A retaliação israelita está a provocar uma grave crise humanitária em Gaza, com mais de 1,1 milhões de pessoas numa "situação de fome catastrófica" que já está a fazer vítimas - "o número mais elevado alguma vez registado" pela ONU em estudos sobre segurança alimentar no mundo.

Leia Também: Aliança que inclui Portugal contra fecho da Al Jazeera em Israel

Recomendados para si

;
Campo obrigatório