Meteorologia

  • 17 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 22º

Vaticano arquiva investigação a cardeal canadiano acusado de agressão sexual

O Vaticano anunciou terça-feira o arquivamento da investigação ao cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix, um dos conselheiros mais próximos do papa Francisco acusado de agressão sexual a uma menor no Canadá.

Vaticano arquiva investigação a cardeal canadiano acusado de agressão sexual
Notícias ao Minuto

00:15 - 22/05/24 por Lusa

Mundo Vaticano

"Este relatório não permite identificar qualquer ato de má conduta ou abuso por parte do cardeal", destacou o Vaticano, em comunicado, na sequência do final de uma investigação solicitada pelo sumo pontífice a um ex-juiz de Quebec.

"Não está previsto um procedimento canónico mais completo" contra este conselheiro próximo do papa Francisco, adiantou ainda.

Esta decisão não surpreendeu o advogado canadiano da alegada vítima: "Isso não é de forma alguma sinónimo de um sistema de justiça independente", realçou Alain Arsenault à agência France-Presse (AFP).

Gérald Cyprien Lacroix, de 66 anos, está acusado no âmbito de uma ação coletiva que visa mais de uma centena de membros da diocese de Quebec.

Segundo o documento judicial consultado pela AFP, Lacroix, arcebispo do Quebec desde 2011 e cardeal desde 2014 é acusado de tocar numa menor, com 17 anos no momento dos alegados atos, entre 1987 e 1988.

Confrontado com este caso, o papa Francisco pediu em fevereiro ao ex-juiz André Denis "que conduzisse uma investigação sobre os factos, circunstâncias e imputação do alegado delito".

O pedido foi uma novidade para o Vaticano, que nunca confiou a um leigo uma investigação visando um cardeal.

"Nunca, que eu saiba, cometi quaisquer ações inadequadas contra ninguém, sejam menores ou adultos", defendeu-se o cardeal no final de janeiro.

"Os elementos recolhidos durante a minha investigação tornam implausível que os factos alegados contra o cardeal tenham ocorrido", concluiu, por sua vez, o juiz Denis.

"A grande fraqueza do meu relatório é que não me encontrei com a demandante", admitiu, no entanto, durante uma conferência de imprensa em Quebec.

A alegada vítima recusou um encontro, reservando as suas declarações à justiça, mas mantendo "obviamente todas estas acusações", explicou o seu advogado, que acrescentou que tem recebido todas as semanas novos depoimentos que se juntam à ação coletiva.

Reiterando a sua inocência, o cardeal Lacroix permanecerá nos bastidores durante algum tempo "para promover uma solução da ação coletiva", indicou a diocese de Quebec, em comunicado.

Desde a eleição do Papa Francisco em 2013, pelo menos três outros cardeais estiveram envolvidos em acusações de agressão sexual.

Em 2019, o papa Francisco destituiu o ex-arcebispo de Washington, Theodore McCarrick, uma sanção quase sem precedentes na história da Igreja relativa a um cardeal, depois de o Vaticano o ter considerado culpado de ter agredido sexualmente pelo menos uma adolescente de 16 anos em 1974 e de ter-se envolvido em comportamento sexual impróprio com seminaristas adultos.

A luta contra a violência sexual na Igreja constitui um dos projetos do pontificado de Francisco, que defende uma política de "tolerância zero" face à multiplicação dos escândalos, ao mesmo tempo que reconhece que a Igreja deve "fazer mais" contra este flagelo.

O papa argentino criou uma comissão consultiva para a proteção de menores, levantou o segredo pontifício sobre a violência sexual por parte do clero e obrigou religiosos e leigos a denunciar quaisquer casos à sua hierarquia. Mas o segredo da confissão permanece absoluto e as associações de vítimas exigem mais medidas.

Leia Também: CEP defende "abertura de horizontes" no sentido do acolhimento

Recomendados para si

;
Campo obrigatório