Meteorologia

  • 27 MAIO 2024
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 22º

Operação China-Laos termina com detenção de 250 suspeitos de fraude

As forças de segurança da China e Laos desmantelaram três grupos criminosos envolvidos em fraudes telefónicas transfronteiriças, o que resultou na detenção de 250 suspeitos chineses, informou hoje o Ministério da Segurança Pública chinês.

Operação China-Laos termina com detenção de 250 suspeitos de fraude
Notícias ao Minuto

07:04 - 24/04/24 por Lusa

Mundo China

A colaboração entre as autoridades dos dois países foi intensificada depois de terem sido descobertas na China pistas que apontavam para a existência de redes no Laos.

Os grupos criminosos alegadamente visavam cidadãos chineses através de burlas telefónicas que envolviam grandes somas de dinheiro.

Depois de verificar os factos e recolher provas, a polícia chinesa partilhou a informação com os homólogos do Laos, que atuaram para desmantelar os grupos criminosos, numa operação que resultou na apreensão de mais de mil telemóveis e computadores utilizados para cometer crimes.

Este tipo de cooperação entre Pequim e os países do Sudeste Asiático para combater as burlas informáticas e as fraudes telefónicas não é novo, especialmente em Myanmar (antiga Birmânia), onde mais de 44.000 suspeitos de crimes informáticos foram detidos e transferidos para a China em 2023.

A grande proporção de suspeitos em Myanmar explica-se pela proliferação de centros de fraude 'online' nas zonas fronteiriças, na sequência do golpe de Estado de fevereiro de 2021, que criou uma grande instabilidade no país e incentivou a atividade de todos os tipos de bandos de crime organizado.

De acordo com um relatório da ONU, pelo menos 120.000 pessoas estão detidas em centros no Myanmar, onde são obrigadas a praticar fraudes na Internet, enquanto no Camboja, outro epicentro destes crimes, o número é estimado em cerca de 100.000.

Nos últimos meses, o Ministério da Segurança Pública da China comunicou o envio de forças de intervenção especializadas para países como a Tailândia, Filipinas e Camboja para participarem em "missões internacionais de aplicação da lei".

Leia Também: AI denuncia detenções de defensores dos Direitos Humanos na China

Recomendados para si

;
Campo obrigatório