Meteorologia

  • 12 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 27º

Grávida morre após ser-lhe recusada uma cesariana em Espanha

Exame realizado antes do parto indicou que o bebé tinha morrido no útero.

Grávida morre após ser-lhe recusada uma cesariana em Espanha
Notícias ao Minuto

16:19 - 27/02/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Espanha

Uma mulher morreu após ter sido recusada a realização de uma cesariana num hospital privado em Marbella, Espanha. A grávida, de 34 anos, sofreu uma hemorragia e esteve a sangrar durante mais de cinco horas, apesar de sentir "dores terríveis".

De acordo com a ITV News, a mulher entrou em trabalho de parto a 20 de julho de 2021. No entanto, um exame revelou que o bebé tinha morrido no útero. Um inquérito sobre a morte da mulher revelou que Kelseu tinha sido "informada que não poderia fazer uma cesariana ou levar uma epidural e que teria de dar à luz de forma natural".

Cerca das 13h30, a mulher começou a perder sangue e sentia "dores horríveis". Foi-lhe negada uma cesariana e às 16h30 acabou por dar à luz o pequeno Tom, que nasceu já sem vida. Depois do parto percebeu-se que o bebé tinha o cordão umbilical "enrolado na barriga e no braço" o que impedia se alimentasse.

Após o parto, a mulher continuou a sangrar mas não havia o seu tipo de sangue disponível no hospital. Assim, o sangue teve que ser pedido a outro hospital. Kelsey continuou a perder muito sangue e horas depois perdeu a consciência. O óbito foi declarado às 19h15, mas o médico legista que acompanhou o caso afirmou que a mulher "pode muito bem ter morrido mais tarde". 

A mãe de Kelsey, Maria Brown, pensa que o filha podia ter sobrevivido se "tivesse feito uma cesariana logo no início". A família acredita que a morte de Kelsey e as circunstâncias do parto estão "claramente ligadas".

As circunstâncias em que o parto ocorreu estão sob uma investigação espanhola. 

Kelsey Brown era natural de Liverpool, em Inglaterra, mas tinha-se mudado para Espanha em dezembro de 2020, já grávida do segundo filho. Kelsey optou por ter o bebé num hospital privado "para garantir o melhor tratamento para ela e para o seu filho que ainda não nascido”. 

Leia Também: Aos 96 anos, Bill Parton não se quer reformar. "O truque é não parar"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório