Meteorologia

  • 18 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 26º

"Apoio à Ucrânia não vacila, assim como a pressão sobre o regime russo"

O presidente do Conselho Europeu afirmou hoje que o apoio à Ucrânia "não vacila" e que a União Europeia (UE) vai continuar a pressionar a Rússia até parar a invasão.

"Apoio à Ucrânia não vacila, assim como a pressão sobre o regime russo"
Notícias ao Minuto

13:27 - 23/02/24 por Lusa

Mundo Charles Michel

"O apoio da UE à Ucrânia não vacila, assim como a nossa pressão sobre o regime russo", escreveu Charles Michel, na rede social X (antigo Twitter), reagindo à aprovação do 13.° pacote de sanções contra a Rússia.

A União Europeia (UE) chegou hoje a acordo sobre o 13.º pacote de sanções contra a Rússia por causa da invasão da Ucrânia, que impõe restrições a mais 106 pessoas e 88 organizações, particularmente da área da defesa.

As sanções aprovadas pelos 27 Estados-membros impõem restrições a pessoas e organizações "responsáveis por enfraquecerem e ameaçarem a integridade territorial, soberania e independência" da Ucrânia.

De acordo com a informação divulgada, o 13.º pacote tem como "alvo primário os setores militar e da defesa, e indivíduos associados, incluindo os envolvidos no fornecimento de armamento da Coreia do Norte à Rússia, assim como funcionários judiciais, autarcas e pessoas responsáveis pela deportação ilegal e reeducação militar de crianças ucranianas".

Algumas das entidades responsáveis pelo "apoio direto ao complexo industrial e militar russo" estão localizadas na índia, Sri Lanka, China, Sérvia, Cazaquistão, Tailândia e Turquia, que têm "ajudado a Rússia a contornar as restrições ao comércio" para adquirir componentes de que precisa para continuar a investir na campanha militar contra a Ucrânia.

Desde o início da invasão russa, a UE incluiu "mais de 2.000 pessoas e entidades" responsáveis por alimentarem o conflito.

Leia Também: Biden confirma 500 novas sanções à Rússia após morte de Navalny

Recomendados para si

;
Campo obrigatório