Meteorologia

  • 16 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 13º MÁX 26º

Hospitais da Coreia do Sul com quase 9 mil médicos em protesto

Vários hospitais da Coreia do Sul registam hoje perturbações devido à indisponibilidade para trabalhar manifestada por mais de 8.800 médicos internos que protestam contra uma reforma que visa aumentar o número de estudantes de medicina no país.

Notícias ao Minuto

09:22 - 21/02/24 por Lusa

Mundo Coreia do Sul

De acordo com fontes oficiais e dados divulgados pelos meios de comunicação local, 71% dos médicos internos do país recusaram trabalhar.

Já o vice-ministro da pasta da saúde, Park Min-soo, aponta para 7.813 internos que não compareceram ao trabalho hoje, cinco vezes mais do que no primeiro dia de um protesto que teve início na segunda-feira.

Para o governo da Coreia do Sul, que já ordenou aos médicos o regresso aos hospitais, esta tomada de posição é ilegal.

"O objetivo principal dos profissionais médicos é proteger a saúde e a vida das pessoas, e qualquer ação coletiva que ameace essa missão é injustificável", disse Park.

Segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, os cinco principais hospitais do país cancelaram 50% das cirurgias agendadas para hoje.

Um grupo de pacientes que sofrem de doenças graves, incluindo cancro e esclerose lateral amiotrófica, afirmou, em comunicado à AFP, estarem a viver "dias terrivelmente dolorosos".

Em causa está uma reforma anunciada pelo presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, que visa aumentar o número de estudantes admitidos nas escolas médicas em 65%, ou mais 2.000 pessoas por ano, a partir de 2025.

O governo justifica esta medida como necessária para preparar o país para atender uma população cada vez mais idosa.

Cerca de 44% dos sul-coreanos terão mais de 65 anos em 2050, de acordo com projeções do governo.

A Coreia do Sul tem apenas 2,6 médicos por 1.000 habitantes, segundo a OCDE, em comparação com uma média de 3,7 entre os 37 países membros desta organização de países desenvolvidos.

O governo calcula que faltarão 15 mil médicos para atender às necessidades do país até 2035 se nada for feito.

Mas os médicos opõem-se ao projeto por considerarem que a admissão de mais estudantes nas escolas médicas resultará numa queda no nível profissional dos futuros médicos e que a qualidade dos cuidados será prejudicada.

Leia Também: Médicos estagiários da Coreia do Sul demitem-se em disputa com governo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório