Meteorologia

  • 21 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Cigarros eletrónicos são "nova face da epidemia no século XXI" entre jovens

O coordenador da Comissão Tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, Paulo Corrêa, afirmou hoje que os dispositivos eletrónicos para fumar são "a nova face da epidemia no século XXI" do tabagismo entre os jovens.

Cigarros eletrónicos são "nova face da epidemia no século XXI" entre jovens
Notícias ao Minuto

19:30 - 14/12/23 por Lusa

Mundo Investigador

O Brasil é um dos 34 países do mundo que proíbe a venda de cigarros eletrónicos e "é um dos 15 de sucesso em termos de regulação no mundo", disse o investigador, que falava à agência Lusa após o alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS), no relatório 'Electronic Cigarettes Call to Action', para o "uso alarmante" de cigarros eletrónicos por crianças e jovens.

Segundo a OMS, os adolescentes entre os 13 e os 15 anos utilizam cigarros eletrónicos em taxas mais elevadas do que os adultos em todas as regiões da OMS.

Paulo Corrêa afirmou que "os dispositivos eletrónicos para fumar, como o cigarro de tabaco aquecido, são a nova face da epidemia no século XXI num momento em que as políticas de ambientes livres de fumo tinham caminhado no mundo todo".

"Nós conseguimos caminhar e rapidamente a indústria conseguiu reinventar-se através dos cigarros eletrónicos utilizando os mesmos expedientes que utilizavam no século XX, com atores de Hollywood, a fazer a apologia do uso [do tabaco]", mas agora utilizando influenciadores nas redes sociais, no YouTube para poder fazer o recrutamento.

"É o mesmo padrão que a gente observava no século XX, ou seja, a disseminação de mitos", como os cigarros eletrónicos e de tabaco aquecido serem apenas vapor de água, e "com alarmante preocupação, nós notamos a atratividade desses produtos para os jovens", disse Paulo Corrêa.

No seu entender, o alerta da OMS a chamar a atenção dos países para a necessidade de políticas públicas de proteção, especialmente da juventude, é necessário, mas surge tardiamente, uma vez que há crianças de 7, 8 anos a fumar cigarros eletrónicos.

A percentagem de população consumidora destes dispositivos, entre os 8 e os 19 anos, varia de 2% no Camboja e os 52% na França, observou, salientando que os países têm regulações muito diferentes.

Segundo a OMS, 34 países proíbem a venda de cigarros eletrónicos, enquanto 88 países não têm estabelecido uma idade mínima a partir da qual os cigarros eletrónicos podem ser comprados e 74 países não têm regulamentação para estes produtos nocivos.

A OMS aponta a necessidade de os países que proíbem a venda de cigarros eletrónicos reforçarem a aplicação da proibição e pede aos que permitem a sua comercialização que garantam regulamentações rigorosas para reduzir o consumo, incluindo a proibição de todos os sabores, limitando a concentração e a qualidade da nicotina e tributando-os.

Falando do caso do Brasil, Paulo Corrêa disse que, em 2019, a prevalência de jovens, dos 15 a 24 anos, que fumava era de 2,4%, enquanto nos Estados Unidos, que não proíbe o cigarro eletrónico, é na ordem dos 28%.

A agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem em consulta pública, até 09 de fevereiro, um texto que propõe a manutenção da proibição dos cigarros eletrónicos e a proibição da publicidade e qualquer tipo de divulgação desses produtos.

"Estamos esperançosos que a política pública vai ser mantida, já que o Grupo Técnico da agência fez um relatório muito bem feito no ano passado e sugeriu inclusive restrições mais fortes, com fiscalização mais efetiva, porque existe muito contrabando no Brasil", adiantou.

O professor na Universidade Federal de Ouro Preto citou o estudo de um pediatra americano publicado em 2018 que mostrou que o uso de cigarro eletrónico no início da adolescência triplica ou quadruplica o uso de haxixe.

Estudos também demonstram que o seu consumo triplica ou quadruplica as hipóteses de vir a fumar o tabaco convencional.

Esta realidade causa uma "enorme preocupação", sendo por isso importantes os países caminharem para essa proibição, "que tem sido eficaz em proteger a saúde pública dos brasileiros".

Leia Também: Pneumologistas preocupados com doenças devido a cigarros eletrónicos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório