Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

ONU adota resolução sobre cooperação fiscal internacional

As Nações Unidas (ONU) aprovaram um projeto de resolução para a criação de um comité intergovernamental dentro da própria organização para abordar a cooperação fiscal internacional, informaram hoje fontes oficiais.

ONU adota resolução sobre cooperação fiscal internacional
Notícias ao Minuto

21:09 - 30/11/23 por Lusa

Mundo ONU

De acordo com o gabinete do secretário-geral das Nações Unidas, o projeto de resolução foi aprovado pelo Segundo Comité da ONU, por uma "grande maioria", e estabelece um comité intergovernamental para elaborar termos de referência para uma Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Cooperação Fiscal Internacional.

A votação marca o mais recente desenvolvimento num aceso debate global sobre que fórum -- a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) ou as Nações Unidas -- é mais adequado para conduzir o trabalho sobre a cooperação fiscal internacional.

"O Segundo Comité da Assembleia Geral realizou debates sobre a promoção de uma cooperação fiscal inclusiva e eficaz nas Nações Unidas, o que ajuda a aproximar o mundo do sistema fiscal internacional de que necessitamos para o futuro que desejamos", segundo um comunicado da ONU.

Em setembro, na Cimeira dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), os Estados-Membros já haviam demonstrado um forte empenho em colmatar a grande lacuna no financiamento dos ODS.

De acordo com as Nações Unidas, a evasão fiscal agressiva tem um efeito corrosivo na confiança pública, na integridade financeira, no Estado de direito e no desenvolvimento sustentável em todo o mundo.

Nesse sentido, segundo o comunicado, é "urgentemente necessário" um processo da ONU em prol de um sistema fiscal internacional que respeite a soberania dos países, que considere a forma real como os mercados funcionam e como os negócios são realizados no mundo moderno, e que estabeleça regras e procedimentos fiscais internacionais transparentes que respondem às necessidades, prioridades e capacidades de todos os países.

"Apelamos a todos os Estados-Membros para que participem no processo futuro, para que todos possam beneficiar dos seus conhecimentos, experiências e conhecimentos", concluiu o gabinete de António Guterres.

Leia Também: ONU deplora decisão russa de proibir ativismo LGBTI+ por extremismo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório