Meteorologia

  • 01 JUNHO 2023
Tempo
16º
MIN 14º MÁX 27º

Sunak "focado" em garantir equipamento militar na frente de guerra

"O primeiro-ministro disse que estava focado em garantir que o equipamento militar defensivo do Reino Unido chegasse à linha da frente o mais rápido possível", disse o gabinete do primeiro-ministro, num comunicado, citado pela Sky News.

Sunak "focado" em garantir equipamento militar na frente de guerra
Notícias ao Minuto

16:18 - 04/02/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, falou telefonicamente com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, este sábado, concordando, mais uma vez, sobre a importância da comunidade internacional acelerar a assistência à Ucrânia.

"O primeiro-ministro disse que estava focado em garantir que o equipamento militar defensivo do Reino Unido chegasse à linha da frente o mais rápido possível", disse o gabinete do primeiro-ministro, num comunicado, citado pela Sky News.

Ambos os líderes "concordaram que era vital que os parceiros internacionais" dessem assistência à Ucrânia "para ajudar a aproveitar a oportunidade para repelir as forças russas".

Por outro lado, o líder da Ucrânia agradeceu a Sunak por "começar a treinar as tripulações ucranianas em Challengers", assim como referiu que discutiram a expansão das "capacidades do Exército ucraniano".

Zelensky enfatizou ainda a posição do seu país de que "representantes do agressor não têm lugar" nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Recorde-se que o Comité Olímpico da Ucrânia manifestou ontem a sua oposição a uma possível participação de atletas russos e bielorrussos nos Jogos Olímpicos Paris2024, bem como em outras competições internacionais.

Mais de uma centena de presidentes de federações desportivas ucranianas também concordaram na possibilidade de boicotar os Jogos Olímpicos, numa assembleia virtual, que decorreu enquanto soavam alarmes antiaéreos em todo o país.

A decisão final será tomada dentro de alguns meses, depois de conhecidas as posições das organizações desportivas e das federações internacionais, nomeadamente do Comité Olímpico Internacional (COI), que o governo ucraniano acusa de ser conivente na promoção da guerra.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas - 6,5 milhões de deslocados internos e mais de oito milhões para países europeus - , de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia -- foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 7.110 civis mortos e 11.547 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Leia Também: Comité Olímpico da Ucrânia recusa participação de russos em Paris'2024

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório