Meteorologia

  • 01 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Reinhardt? "A história repete-se. Vejamos o que acontece na Ucrânia"

'Operação Reinhardt' é o nome dado a um plano secreto dos nazis na Segunda Guerra Mundial para exterminar os judeus polacos durante a ocupação alemã.

Reinhardt? "A história repete-se. Vejamos o que acontece na Ucrânia"
Notícias ao Minuto

11:28 - 07/12/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Papa Francisco

O Papa Francisco recordou, esta quarta-feira, o aniversário da ‘Operação Reinhardt’ - o nome dado a um plano secreto dos nazis na Segunda Guerra Mundial para exterminar os judeus polacos durante a ocupação alemã - e alertou que a “História repete-se”.

Na sua audiência semanal, no auditório Paulo VI, o pontífice começou por abordar o “sofrimento” do povo ucraniano, pedindo paz durante o dia da Imaculada Conceição, que se assinala amanhã. “Pedimos que seja um conforto para aqueles que são provados pela brutalidade da guerra, especialmente para a martirizada Ucrânia. Rezemos por este povo mártir, que está a sofrer tanto”, acrescentou, citado pela agência Ecclesia.

O Papa falou sobre o aniversário da ‘Operação Reinhardt’, assinalado na segunda-feira pelo Centro de Relações Católico-Judaicas da Universidade Católica de Lublin (Polónia), e recordou que o plano “causou o extermínio de quase dois milhões de vítimas, sobretudo de origem judaica”.

“Que a lembrança desse terrível acontecimento suscite resoluções e ações pela paz em todos. A história repete-se, repete-se, vejamos agora o que acontece na Ucrânia”, destacou.

"Não devemos deixar os nossos corações e mentes entorpecidos pela repetição destes graves horrores contra Deus e contra o homem. Não devemos, por nenhuma razão no mundo, acostumar-nos com tudo isso, dando quase como certo que esta III Guerra Mundial fragmentada, que escalou dramaticamente diante de nossos olhos, tornar-se num III Guerra Mundial total", sublinhou ainda o Papa.

O conflito entre a Ucrânia e a Rússia começou com o objetivo, segundo Vladimir Putin, de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia. A operação foi condenada pela generalidade da comunidade internacional.

A ONU confirmou que cerca de seis mil civis morreram e mais de dez mil ficaram feridos na guerra, sublinhando que os números reais serão muito superiores e só poderão ser conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

Leia Também: Ucrânia. Três feridos em ataques russos na região de Zaporizhzhia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório