Meteorologia

  • 27 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 6º MÁX 14º

Milhares manifestam-se em Marrocos contra custo de vida e repressão

Vários milhares de marroquinos manifestaram-se hoje em Rabat contra "o custo de vida e a repressão" política após um apelo de organizações de esquerda, num contexto de aumento da inflação e agravamento da crise social.

Milhares manifestam-se em Marrocos contra custo de vida e repressão
Notícias ao Minuto

23:07 - 04/12/22 por Lusa

Mundo Marrocos

A marcha nacional, uma das mais importantes dos últimos meses, juntou entre 1.200 e 3.000 pessoas, de acordo com os números divergentes da Direção geral de segurança nacional (DGSN) e de jornalistas presentes no terreno.

A manifestação foi organizada pela Frente social marroquina (FSM), que agrupa partidos políticos e organizações de esquerda.

"O povo quer a redução dos preços... O povo quer derrubar o despotismo e a corrupção", foram algumas das palavras de ordem ecoadas durante o desfile.

"Viemos protestar contra um Governo que incorpora o casamento do dinheiro e do poder e que apoia um capitalismo monopolista", declarou o coordenador nacional da FSM, Younès Ferachine, citado pela agência noticiosa AFP.

Marrocos regressou "ao nível de pobreza e de vulnerabilidade de 2014", devido à pandemia do covid-19 e da inflação indicou um recente relatório do Alto comissariado do plano (HCP).

O aumento dos preços (+ 7,1 por cento em outubro em um ano), o aumento dos combustíveis, dos géneros alimentares e dos serviços, aliados a uma seca excecional, afetaram o crescimento do país, calculado em apenas 0,8% para 2022.

O poder de compra da população mais pobre, mas também da classe média, tem-se deteriorado num contexto de profundas disparidades sociais e territoriais.

Os manifestantes, provenientes de todo o reino, também denunciaram "todas as formas de repressão" política, anti-sindical e contra a liberdade de expressão, e quando diversos "bloggers" e jornalistas estão na prisão.

"É uma repressão inaceitável", frisou Ferachine.

Por sua vez, militantes pró-palestinianos insurgiram-se contra a normalização das relações entre o reino alauita e Israel desde dezembro de 2000, e rejeitada por vastos setores da população. Numerosas bandeiras palestinianas eram visíveis durante o desfile, indicou a AFP.

Face aos protestos as últimas semanas, o Governo liberal do empresário Aziz Akhannouch -- considerado o segundo homem mais rico do país após o rei Mohammed VI -- anunciou o prosseguimento da sua "política social", designadamente através de uma generalização da assistência médica para todos.

Desde o início do mês, mais de 10 milhões de marroquinos com rendimentos mais baixos foram admitidos neste programa.

Em outubro, o Governo também lançou um fundo soberano, avaliado em 4,1 mil milhões de euros, destinado à dinamização do investimento público e ao relançamento da economia do país.

Leia Também: Migrante atravessa fronteira entre Marrocos e Espanha em parapente

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório