Meteorologia

  • 07 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 15º

"O meu pior pesadelo". Paramédica socorre a própria filha sem saber

A jovem de 17 anos estava irreconhecível, devido aos ferimentos que sofreu.

"O meu pior pesadelo". Paramédica socorre a própria filha sem saber
Notícias ao Minuto

16:51 - 25/11/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Canadá

Uma paramédica canadiana, que prestou socorro a uma vítima de um acidente de viação, viveu o seu “pior pesadelo”, ao descobrir que a adolescente de quem tratou era, na verdade, a sua filha de 17 anos.

A 15 de novembro, a socorrista Jayme Erickson foi mobilizada para um acidente perto de Airdrie, a norte de Calgary, no Canadá, onde se deparou com “dois pacientes com ferimentos”, sendo que “a passageira [do veículo] estava presa e gravemente ferida”, explicou, numa publicação na sua página da rede social Facebook.

Erickson adiantou que tratou da adolescente enquanto os bombeiros procuravam removê-la do automóvel, que tinha perdido o controlo, acabando por ser atingido por uma carrinha.

A adolescente foi transportada para o Foothills Medical Centre, em Calgary, onde acabaria por morrer.

Minutos após chegar a casa, a minha campainha tocou. A minha vida mudou para sempre”, disse. Isto porque, conforme lhe contaram as autoridades, a adolescente de quem tinha tratado era, na verdade, a sua filha, Montana, de 17 anos. "O meu pior pesadelo enquanto paramédica aconteceu."

Os ferimentos dela eram tão horrendos, que nem a reconheci”, lamentou.

“Vou apreciar as memórias que fizemos e o tempo que tivemos juntas. Estou devastada. Estou destruída. Falta uma parte de mim mesma. Estou aqui para recolher os cacos, enquanto esperam que siga em frente”, complementou.

Erickson deixou ainda um conselho, na publicação dedicada à filha: “Ame com todo o seu coração. Abrace aqueles próximos de si. Faça memórias. Se vai amar alguém, aguente o mais possível… até não conseguir”, rematou.

Em conferência de imprensa, na terça-feira, Erickson expressou o seu luto, descrevendo a sua filha como uma “lutadora”, que “lutou até ao dia em que morreu”. “Ela era linda. Era tão linda. Se se esforçasse por alguma coisa, alcançava-a sempre”, assegurou.

Richard Reed, amigo da família e paramédico, revelou que, ao voltar do acidente, Erickson mostrou-se frustrada por saber que, mais tarde, uma família perderia a sua filha, irmã, e neta – ainda sem saber que esse seria o seu destino.

Jayme estava, sem saber, a manter a sua filha viva”, disse.

Leia Também: Canadá vai investir 1.100 milhões na adaptação às alterações climáticas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório