Meteorologia

  • 30 MAIO 2024
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 30º

China poderá voltar a sediar fórum sobre Nova Rota da Seda em 2023

O Presidente chinês, Xi Jinping, disse hoje que a China pode sediar, em 2023, um terceiro fórum sobre a Nova Rota da Seda, a iniciativa chinesa que visa construir autoestradas, linhas ferroviárias ou portos em mais de 60 países.

China poderá voltar a sediar fórum sobre Nova Rota da Seda em 2023
Notícias ao Minuto

09:26 - 18/11/22 por Lusa

Mundo Xi Jinping

"Estamos a considerar sediar um terceiro fórum, no próximo ano, para impulsionar o desenvolvimento e a prosperidade na [região da] Ásia - Pacífico e em todo o mundo", disse Xi, num discurso proferido na cimeira dos líderes da organização Cooperação Económica Ásia - Pacífico (APEC, na sigla inglês), que decore entre hoje e sábado, em Banguecoque.

Pequim sediou o fórum em 2017, no qual o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa participou, em 2019.

O projeto internacional de infraestruturas prevê a construção de portos, linhas ferroviárias ou autoestradas, ligando o leste da Ásia à Europa, Médio Oriente e África.

O maior entrosamento entre Pequim e os países envolvidos abarca ainda o ciberespaço, meios académicos, imprensa, regras de comércio ou acordos financeiros, visando elevar o papel da moeda chinesa, o RMB, nas trocas comerciais.

Observadores consideram que o objetivo da China é redesenhar o mapa da economia mundial e moldar uma nova ordem internacional.

Xi Jinping indicou hoje também que a China "vai avançar com uma agenda mais ampla" no seu processo de abertura, que vai abranger "mais áreas e com mais profundidade", e que vai implementar "novos sistemas para uma economia aberta de alta qualidade".

O presidente chinês também pediu aos países que compõem a Parceria Económica Regional Abrangente (RCEP), o maior acordo de livre comércio do mundo, que implementem o acordo.

A cimeira de líderes da APEC, criada em 1989, arrancou hoje em Banguecoque, depois de quatro anos sem ser presencial, e vai ter, entre os temas mais proeminentes, a guerra na Ucrânia, a inflação, a crise alimentar e energética e as alterações climáticas.

Leia Também: China. Vídeo mostra habitantes em protesto após escaparem de confinamento

Recomendados para si

;
Campo obrigatório