Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2022
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Mulher de juiz do Supremo testemunha sobre invasão do Capitólio dos EUA

Virginia "Ginni" Thomas, mulher do juiz conservador do Supremo Tribunal dos EUA, Clarence Thomas, testemunhou esta quinta-feira perante a comissão da Câmara dos Representantes que investiga a invasão do Capitólio, ocorrida em 06 de janeiro de 2021.

Mulher de juiz do Supremo testemunha sobre invasão do Capitólio dos EUA

A audiência pública e transmitida pela televisão estava marcada para quarta-feira, mas a sessão foi adiada para uma nova data, ainda a ser anunciada, devido ao furacão Ian, que atingiu a Florida.

"Ginni" compareceu para uma sessão à porta fechada e, ao chegar ao tribunal, recusou-se a responder às perguntas dos jornalistas.

Mark Paoletta, advogado da mulher de Clarence Thomas, referiu mais tarde, num comunicado divulgado pela estação CNN, que a sua cliente estava "feliz em cooperar com a comissão para esclarecer alguns equívocos sobre o seu desempenho nas eleições de 2020", nas quais o democrata Joe Biden derrotou o republicano Donald Trump.

"Ginni" Thomas foi chamada a testemunhar, porque alegadamente pressionou Mark Meadows, ex-chefe de gabinete de Trump, a rejeitar a vitória de Biden.

"A Sra. Thomas tinha preocupações significativas sobre fraudes e irregularidades nas eleições de 2020. E, como ela disse ao comité, a sua principal atividade estava focada em garantir que as alegações de fraude e irregularidades fossem investigadas", destacou o advogado.

Paoletta ressalvou que, além disso, "Ginni" não esteve envolvida em nenhum dos eventos ocorridos após as eleições e que condenou a violência ocorrida em 06 de janeiro de 2021, quando milhares de apoiantes de Donald Trump, incentivados pelo republicano, invadiram o Capitólio para tentar impedir a certificação da vitória eleitoral de Joe Biden.

O ataque resultou em cinco mortos e cerca de 140 antes de segurança feridos.

Na última audiência da comissão, em julho, o painel da Câmara dos Representantes demonstrou que Trump decidiu não interromper imediatamente o ataque porque lhe convinha e, em vez disso, passou a tarde a assistir na televisão, até que três horas depois, a pedido do seu círculo próximo, emitiu um comunicado, em que instou os manifestantes a deixarem o edifício.

Estava prevista para quarta-feira a nona e última sessão pública da comissão de investigação, que tem reunido e divulgado informações sobre os acontecimentos de 06 de janeiro de 2021.

Leia Também: Homem condenado a sete anos por atacar polícia na invasão do Capitólio

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório