Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

Liberdade condicional para ex-chefe de segurança de Presidente da RDCongo

Um tribunal da República Democrática do Congo (RDCongo) decidiu hoje conceder a François Beya, antigo responsável pela segurança do Presidente Félix Tshisekedi, "liberdade condicional", durante o julgamento por conspiração contra o chefe de Estado.

Liberdade condicional para ex-chefe de segurança de Presidente da RDCongo
Notícias ao Minuto

15:50 - 16/08/22 por Lusa

Mundo RDCongo

A justiça militar da RDCongo decidiu conceder "liberdade condicional" a François Beya, o "Sr. Segurança" do Presidente Felix Tshisekedi, processado por conspiração contra o chefe de Estado, disse a defesa.

"O Alto Tribunal Militar concedeu finalmente a libertação condicional ao nosso cliente François Beya por razões de saúde", disse o advogado, John Kaboto, citado pela agência France-Presse.

"O nosso cliente também está autorizado a procurar tratamento numa instalação hospitalar apropriada, seja no país ou no estrangeiro. Pede-se-lhe simplesmente que faça o pedido", acrescentou Kaboto, explicando que, "contudo, as audiências continuam normalmente no julgamento por conspiração e ofensa contra a pessoa do chefe de Estado, violação de ordens e incitação dos militares a cometer atos contrários ao dever e à disciplina".

Conselheiro especial do chefe de Estado da RDCongo em matéria de segurança, François Beya Kasongo, 67 anos, foi detido em 05 de fevereiro pela Agência Nacional de Inteligência (ANR).

Em 08 de fevereiro, a Presidência congolesa afirmou que os investigadores tinham encontrado "graves indícios de ações contra a segurança nacional" contra o antigo "Sr. Segurança".

Detido por dois meses nas instalações da ANR, François Beya foi transferido para Makala em 05 de abril.

"A prisão e detenção arbitrária de François Beya Kasongo pode ser explicada, principalmente, pelo facto de que uma acusação falsa foi montada contra ele", afirmou então o advogado, considerando que o ex-chefe de segurança do chefe de Estado é "vítima de uma guerra dentro do palácio presidencial".

Segundo a mesma fonte, Beya "está a pagar pela sua investigação sobre um conflito mineiro", que envolve um assessor privado do chefe de Estado, Fortunat Biselele, e o ex-presidente da comissão eleitoral, Corneille Nangaa.

Chefe da Direção Geral de Migrações durante o regime do ex-presidente da RDCongo Joseph Kabila (2001-2019), François Beya tornou-se, em 2019, o "Senhor segurança" do Presidente Tshisekedi e permaneceu neste cargo, apesar da rutura, no final de 2020, entre Tshisekedi, o atual Presidente, e o seu antecessor, após dois anos de uma cogestão conflituosa do país.

Leia Também: Eduardo dos Santos. RD Congo declara luto nacional no dia das exéquias

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório