Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 32º

MP venezuelano manda deter jornalista por incitamento à morte de Maduro

O Ministério Público (MP) da Venezuela emitiu um mandado de detenção contra a jornalista opositora Carla Angola Rodríguez, radicada em Miami, EUA) por alegadamente instigar ao homicídio do Presidente, Nicolás Maduro.

MP venezuelano manda deter jornalista por incitamento à morte de Maduro

O anúncio foi feito pelo procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, na Escola Nacional de Procuradores de Caracas,indicando que a jornalista terá dito durante um programa televisivo de Miami: "os EUA usam um 'drone' e desaparece o segundo no comando de Al Qaeda e nas redes sociais todos se perguntam porque não fazem o mesmo com Nicolás Maduro".

Segundo Tarek William Saab, durante o programa a jornalista insistiu que o Presidente da Venezuela "deve ser tido como uma ameaça" em resposta à afirmação de um entrevistado que terá dito que "os EUA não consideram a Venezuela uma ameaça direta à sua segurança, como é a organização terrorista Al Qaeda".

"Esta senhora inventa a desculpa das redes sociais para dizer o que quer. Este é um país que quer paz, tranquilidade e prosperidade", sublinhou o procurador-geral, precisando que em janeiro de 2020 foi iniciada uma investigação contra a jornalista "por situações similares a esta".

Tarek William Saab explicou que o crime de apologia do magnicídio (homicídio de uma pessoa célebre) é sancionado a nível internacional e referiu que, no começo de 2022, um jornalista peruano do Diário Trome foi investigado por incitar a assassinar o Presidente, Pedro Castillo.

As autoridades polacas também detiveram recentemente um cidadão que uso o Facebook para incitar ao assassinato do Presidente, Andrzej Duda, e do primeiro-ministro, Mateusz Morawiecki.

A jornalista já reagiu ao anúncio do procurador atribuindo o mandado de detenção contra si ao "terrorismo de Estado" na Venezuela.

"Isto não é contra mim, é uma mensagem para os meus colegas na Venezuela. Lembrem-se que [na Venezuela], informar é um crime e que o regime se vingará sempre", disse Carla Angola Rodríguez num programa na estação de televisão EVTV Miami, que já expressou solidariedade.

Segundo a jornalista, o mandado de detenção "reivindica a (mais) valia da prática do jornalismo, inclusive na diáspora" para quem "vem de sistemas criminosos", em que quem tiver a ideia de "representar o clima de opinião real dos venezuelanos, o que sentem", termina com "um mandado de detenção e depois na cadeia".

Carla Angola frisou ainda que "não se irá pôr no papel de vítima" e que "por mais que tenham querido silenciar todo um povo, sempre haverá quem fale por ele".

A jornalista manifestou "absoluta admiração" por "todos os colegas que dentro da Venezuela, foram presos (pelas forças de segurança) durante a noite apenas por informar, aos utilizadores do Twitter que foram presos por publicar uma opinião, e por quem terminou num calabouço por expressar ideias num simples 'chat' privado de WhatsApp".

Leia Também: Pena de prisão por conspiração para matar Maduro para 17 pessoas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório