Meteorologia

  • 02 OUTUBRO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 30º

Após dois anos de anos de pandemia, Meca reabre as portas a peregrinos

Um milhão de muçulmanos deverão chegar hoje à cidade sagrada de Meca, na Arábia Saudita, para o maior 'hajj' desde que a pandemia de covid-19 restringiu o acesso à peregrinação, classificada como um dos cinco pilares do Islão.

A decisão da Arábia Saudita de permitir que cerca de 850 mil muçulmanos estrangeiros façam a peregrinação anual, que começa na quinta-feira, marca um grande passo em direção à normalidade, após dois anos de um 'hajj' restrito a residentes sauditas.

O 'hajj' é a peregrinação realizada à cidade de Meca pelos muçulmanos, obrigatória pelo menos uma vez na vida, para todos os que tenham os meios económicos necessários.

A estimativa de um milhão de peregrinos - entre estrangeiros e sauditas - representam, ainda assim, um número muito inferior aos 2,5 milhões de muçulmanos que fizeram a peregrinação em 2019.

Apesar de os peregrinos serem selecionados através de um sistema 'online', este ano ainda contam com algumas restrições, sendo apenas admitidos em Meca aqueles que tiverem menos de 65 anos, tiverem sido vacinados contra a covid-19 e tiverem um teste que indique não estarem infetados pela doença, feito nas 72 horas da viagem.

As autoridades sauditas inspecionaram, esta quarta-feira, o local sagrado, "com o objetivo de manter a saúde pública", e garantiram estar prontas para receber os peregrinos.

A pandemia levou as autoridades sauditas a permitirem, em 2020, que apenas mil peregrinos já residentes no reino participassem na peregrinação, levando os historiadores a comparar a interrupção com a invasão do local por extremistas religiosos que levou ao seu encerramento, em 1979.

No ano passado, o 'hajj' também foi restringido a 60 mil muçulmanos residentes na Arábia Saudita, que tinham de ter o esquema total de vacinação contra a covid-19.

As restrições sem precedentes causaram indignação em todo o mundo muçulmano, sobretudo entre os muitos crentes que passaram anos a economizar para realizar o ritual religioso.

Este ano, no entanto, as autoridades sauditas querem relaxar as restrições, até porque as peregrinações religiosas rendiam cerca de 12 mil milhões de euros antes da pandemia, valor que representa a maior percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) da Arábia Saudita, logo a seguir ao petróleo.

Embora os casos de covid-19 tenham aumentado para mais de 500 por dia na Arábia Saudita, o Governo suspendeu, no mês passado, a obrigação de usar máscara no país e outras precauções, alegando que cerca de 70% da população do país está vacinada contra o novo coronavírus.

Seguindo os princípios do Corão, livro sagrado do Islão, peregrinos de todo o mundo viajam, todos os anos, para Meca para cinco dias intensos de adoração, marcados por vários rituais.

O 'hajj' segue a rota que o profeta Maomé percorreu há quase 1.400 anos e acredita-se que trace os passos dos profetas Ibrahim e Ismail, ou Abraão e Ismael, como são chamados na Bíblia cristã.

Leia Também: Fátima recebe milhares de crianças em peregrinação após 2 anos de pausa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório