Meteorologia

  • 14 AGOSTO 2022
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 27º

G7 prepara novas sanções onde se inclui teto ao preço do petróleo russo

Pacote visa a indústria de defesa da Rússia e deverá impor um teto máximo ao preço do petróleo russo. 

G7 prepara novas sanções onde se inclui teto ao preço do petróleo russo
Notícias ao Minuto

09:40 - 27/06/22 por Notícias ao Minuto com Lusa

Mundo Guerra na Ucrânia

O G7 - grupo dos países mais industrializados do mundo composto pela Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido - prepara-se para impor na terça-feira, dia 28 de junho, um novo pacote de sanções contra a Rússia. 

De acordo com um oficial da Casa Branca, citado pelas agências Reuters e AFP, este pacote visa a indústria de defesa da Rússia, no sentido de tentar restringir o acesso russo a recursos industriais, e deverá impor um teto máximo ao preço do petróleo russo. 

Num encontro com jornalistas, a mesma fonte explicou que os líderes das sete nações mais industrializadas do mundo, que estão hoje reunidos em Elmau, na Alemanha, que o dinheiro das tarifas comerciais mais altas impostas às exportações russas seja canalizado como ajuda à Ucrânia. 

"Os objetivos dos líderes do G7 têm sido visar diretamente as receitas de (presidente russo Vladimir) Putin, particularmente através da energia, mas também minimizar as repercussões e o impacto nas economias do G7 e no resto do mundo", disse o funcionário da Casa Branca num briefing à margem da cimeira anual do G7.

Segundo detalha a agência Reuters, os líderes do G7 também se comprometerão em termos de "segurança sem precedentes e de longo prazo para fornecer à Ucrânia apoio financeiro, humanitário, militar e diplomático pelo tempo que for necessário", incluindo o fornecimento de armas avançadas.

Os pormenores sobre o funcionamento do mecanismo para impor um preço máximo global ao petróleo russo, bem como o seu impacto na economia do país, serão acertados pelos ministros das Finanças do G7 nas próximas semanas e meses, disse a fonte oficial citada pelas agências noticiosas AFP, AP e EFE.

O objetivo é limitar a capacidade de Moscovo de substituir o equipamento militar que perdeu na guerra que iniciou na Ucrânia em 24 de fevereiro, segundo a fonte.

As sanções que serão anunciadas pelos Estados Unidos na terça-feira visarão também empresas militares privadas que operam na Ucrânia e unidades militares russas que se "acredita estarem envolvidas em abusos de direitos ou violações do direito humanitário internacional na Ucrânia", referiu.

Também serão impostas sanções contra os envolvidos em "táticas da Rússia para roubar o trigo ucraniano ou que lucraram ilegalmente com os combates", disse a mesma fonte.

Recorde-se que o governo ucraniano apelou no domingo aos países do G7 reunidos na Baviera, Alemanha, para enviarem mais armas e aplicarem mais sanções contra a Rússia, depois de novos ataques russos ao amanhecer num distrito perto do centro de Kyiv.  

Leia Também: Sanções "complicam", mas meta para neutralidade carbónica será cumprida

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório