Meteorologia

  • 16 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 18º MÁX 26º

Deputado regional russo exige retirada das tropas russas da Ucrânia

Um deputado do parlamento regional Primorsk, no extremo oriente da Rússia, exigiu o fim da guerra e a retirada das forças russas da Ucrânia, numa rara demonstração de oposição à invasão.

Deputado regional russo exige retirada das tropas russas da Ucrânia
Notícias ao Minuto

06:24 - 28/05/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"Entendemos que, se o nosso país não interromper a operação militar, teremos mais órfãos no nosso país", disse Leonid Vasyukevich, deputado do Partido Comunista, numa reunião da Assembleia Legislativa regional de Primorsk no porto de Vladivostok, na sexta-feira.

A declaração, dirigida diretamente ao Presidente russo Vladimir Putin, surge num vídeo publicado num canal da plataforma Telegram. O vídeo mostra ainda um outro deputado a apoiar a opinião de Vasyukevich.

Mas o presidente da Assembleia Legislativa regional de Primorsk emitiu mais tarde um comunicado, apelidando as declarações de "provocação política", não apoiada pela maioria dos deputados.

A declaração de Vasyukevich constitui uma rara - se não inédita - admissão pública do descontentamento entre pela guerra da Rússia na Ucrânia, numa altura em que o Putin tem tentado reprimir dissidência e opiniões contrárias à do Kremlin.

No início de maio, um diplomata russo da delegação da ONU em Genebra, Boris Bondarev, anunciou ter entregado a sua demissão, alegando que nunca teve tanta vergonha do seu país como no dia da invasão da Ucrânia.

Em março, o parlamento russo aprovou, por unanimidade, uma lei que criminaliza a disseminação intencional daquilo que a Rússia considera ser informação falsa.

As autoridades russas têm denunciado várias vezes relatos de reveses militares russos ou mortes de civis na Ucrânia como "informação falsa" e os meios de comunicação estatais referem-se à invasão da Ucrânia pela Rússia como uma "operação militar especial" em vez de uma "guerra" ou "invasão".

Penas de até três anos ou multas estão previstas para quem divulgar o que as autoridades consideram ser notícias falsas sobre os militares, mas a pena máxima sobe para 15 anos para casos considerados como tendo "graves consequências".

A guerra na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas - mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou na quinta-feira que 3.974 civis morreram e 4.654 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates

Leia Também: AO MINUTO: "Tentar alcançar objetivos até ao 100.º dia"; Assalto a Kyiv?

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório