Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
35º
MIN 21º MÁX 37º

Bruxelas pede aval a embargo a petróleo para evitar "situação estranha"

A Comissão Europeia exortou hoje os Estados-membros da União Europeia (UE) a aprovarem "sem demora" as sanções que incluem um embargo ao petróleo russo, para evitar a "estranha situação" de contribuir para financiar a guerra enquanto apoiam a Ucrânia.

Bruxelas pede aval a embargo a petróleo para evitar "situação estranha"
Notícias ao Minuto

14:07 - 24/05/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

Falando em conferência de imprensa no final da reunião dos ministros das Finanças da UE, o vice-presidente executivo da tutela, Valdis Dombrovskis, vincou que "é importante avançar sem demora com a finalização do sexto pacote de sanções [à Rússia devido à guerra]", até porque "já passaram algumas semanas desde que as discussões estão em curso".

"Sabemos que existem preocupações, especialmente dos países [da UE] mais afetados pelos efeitos do embargo petrolífero na segurança do abastecimento, e estamos a trabalhar com estes Estados-membros para ver a melhor forma de abordar essas preocupações", acrescentou o responsável no executivo comunitário pela pasta de "Uma economia que funciona para as pessoas".

De acordo com Valdis Dombrovskis, "é preciso ter em mente de que antes da guerra, no último ano, 62% das importações feitas pela UE na Rússia foram de hidrocarbonetos e, assim, quando se abrangem as importações de combustíveis fósseis na Rússia, está-se realmente a atingir as fontes de financiamento da guerra".

"E, por isso, é importante que essas decisões sejam tomadas e tomadas sem demora, [já que], caso contrário, encontramo-nos numa situação estranha em que estamos a discutir um apoio financeiro maciço à Ucrânia e continuamos a fornecer financiamento à Rússia", salientou o também responsável pela tutela do Comércio.

E instou: "É necessário parar".

Em causa está o sexto e novo pacote de sanções contra a Rússia devido à invasão da Ucrânia, proposto pela Comissão Europeia no início deste mês, após a instituição ter abrangido, no anterior conjunto de medidas restritivas, a proibição da importação de carvão.

O pacote mais recente, apresentado por Bruxelas há três semanas, prevê uma eliminação total e gradual da importação de todo o petróleo russo para assim reduzir a dependência energética europeia face à Rússia, estipulando também uma derrogação de um ano suplementar para Hungria e Eslováquia.

A Hungria já veio rejeitar a proposta de um embargo progressivo da UE ao petróleo russo nos termos propostos pela Comissão Europeia, alegando que põe em causa a segurança energética do país.

A guerra na Ucrânia expôs a excessiva dependência energética da UE face à Rússia, que é responsável por cerca de 45% das importações de gás europeias. A Rússia também fornece 25% do petróleo e 45% do carvão importado pela UE.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

Leia Também: Embargo da UE ao petróleo russo possível "dentro de dias", diz Berlim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório