Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 26º

Biden quer esvaziar compromisso com princípio 'Uma China'

Analistas citados pela imprensa oficial chinesa defenderam hoje que os comentários de Joe Biden, sobre o compromisso de os Estados Unidos intervirem militarmente caso a China invadisse Taiwan, são representativos da estratégia norte-americana de "esvaziar" o princípio "Uma China".

Biden quer esvaziar compromisso com princípio 'Uma China'
Notícias ao Minuto

08:04 - 24/05/22 por Lusa

Mundo EUA

Para os analistas citados pelo Global Times, jornal oficial do Partido Comunista da China, as "observações de Biden constituem sinais perigosos" de que ele pretende abandonar o compromisso de Washington com aquele princípio.

A estratégia de Biden torna a relação entre China e EUA no "Titanic a embater contra um iceberg", o que "vai resultar numa crise, ou pior", argumentou Da Wei, diretor do Centro de Segurança e Estratégia Internacional da Universidade de Tsinghua, citado pelo jornal.

Da considerou as observações de Biden inconsistentes com a posição dos EUA sobre Taiwan e a China.

"Enviar tropas é interferência militar, oferecer armas e inteligência militar também pode ser interpretado como 'intervenção militar'", argumentou.

"A Administração de Biden está a jogar com a ilha não apenas para atender aos políticos pró - Taiwan nos EUA, mas também para servir a sua estratégia em relação à China", disse.

Citado pelo Global Times, Sun Chenghao, pesquisador da Universidade de Tsinghua, apontou que Biden está a tentar usar a guerra na Ucrânia como uma desculpa para enfraquecer a reivindicação da China sobre Taiwan.

"No entanto, a Ucrânia e a ilha de Taiwan são casos completamente diferentes. Ao misturar deliberadamente as duas, os EUA estão a tentar enganar os países da Ásia-Pacífico e fazê-los pensar que a região corre o risco de um conflito semelhante", disse Sun.

"Tais declarações servem para dar legitimidade à estratégia para a Ásia--Pacífico dos EUA", argumentou.

Biden disse na segunda-feira, em Tóquio, que os EUA vão continuar a honrar o princípio de "Uma China", que reconhece a posição de Pequim de que Taiwan faz parte da China, mas também acrescentou que os EUA responderiam militarmente se a China atacasse o território, que funciona como uma entidade política soberana.

"Simplesmente não seria apropriado (...) afetaria toda a região e seria outra ação semelhante ao que aconteceu na Ucrânia", disse Joe Biden. "A América está comprometida com o princípio de 'Uma China', mas isso não significa que a China tenha jurisdição para usar a força contra Taiwan", frisou.

O Governo chinês expressou também "forte insatisfação e oposição resoluta" às declarações de Biden.

"A China não está disponível para compromissos ou concessões em questões que envolvem os seus interesses centrais, como a soberania e integridade territorial", disse Wang Wenbin, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Sob o princípio "Uma só China", os Estados Unidos reconhecem Pequim como o governo legítimo da China e cortaram relações diplomáticas com Taiwan.

No entanto, Washington mantém contactos não oficiais com o território, incluindo uma embaixada de facto em Taipé.

Os Estados Unidos também fornecem equipamento militar para a defesa da ilha.

China e Taiwan vivem como dois territórios autónomos desde 1949, altura em que o antigo governo nacionalista chinês se refugiou na ilha, depois da derrota na guerra civil frente aos comunistas.

Pequim considera Taiwan parte do seu território, apesar de a ilha operar como uma entidade política soberana, e ameaça utilizar a força, caso o território declare formalmente independência.

Nos últimos anos, centenas de caças chineses entraram na Zona de Identificação da Defesa Aérea (ADIZ) de Taiwan, numa demonstração de força por parte de Pequim.

Leia Também: "O povo da Ucrânia tem um líder digno da sua coragem e resiliência"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório