Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

Bielorrússia compra sistemas de defesa aérea e mísseis à Rússia

A Bielorrússia adquiriu sistemas de defesa aérea S-400 e mísseis Iskander à Rússia, revelou esta quinta-feira o Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, que é o principal aliado de Moscovo na invasão russa da Ucrânia.

Bielorrússia compra sistemas de defesa aérea e mísseis à Rússia

"Chegamos a um acordo com [o Presidente russo Vladimir] Putin", sublinhou Lukashenko, citado pelo seu gabinete de imprensa, que divulgou um comunicado na rede social Telegram.

Minsk tem sido uma base de retaguarda para a invasão russa da Ucrânia, países com os quais faz fronteira e também tem sido alvo de sanções pelo Ocidente.

O chefe de Estado bielorrusso referiu que adquiriu a quantidade "necessária" deste armamento, sem adiantar mais detalhes.

"Com estas armas, já somos um Exército completamente diferente", assegurou Lukashenko, enfatizando que o armamento adquirido é "capaz de infligir danos colossais".

No início de maio, Alexander Lukashenko, de 67 anos, acusado pelos ocidentais de governar a Bielorrússia de forma totalitária desde 1994, acusou o Ocidente de estar "obcecado" pelas ideias nazis e de estar "em guerra com a Rússia" na Ucrânia.

A guerra na Ucrânia, que hoje entrou no 85.º dia, causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas -- cerca de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,3 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa -- justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou hoje que 3.811 civis morreram e 4.278 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Leia Também: Bielorrússia vai mobilizar forças especiais na fronteira com Ucrânia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório