Meteorologia

  • 24 MAIO 2022
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 20º

Dez civis mortos em ataque rebelde na República Centro-Africana

Dez civis foram mortos num ataque rebelde na República Centro-Africana (RCA), país que está há vários anos em guerra civil, denunciou hoje o porta-voz da força de missão de paz das Nações Unidas.

Dez civis mortos em ataque rebelde na República Centro-Africana
Notícias ao Minuto

22:33 - 14/05/22 por Lusa

Mundo ONU

"Elementos armados da Unidade para a Paz na República Centro-Africana (UPC)", um grupo rebelde de grande dimensão, "cometeram abusos sobre a população, matando 10 pessoas", na segunda-feira, na aldeia de Bokolobo, a mais de 400 quilómetros a nordeste da capital Bangui, avançou o tenente-coronel Abdoul Aziz Ouedraogo, da força da missão de manutenção de paz das Nações Unidas na RCA (Minusca).

Em resposta a "estas atrocidades", foram deslocadas "imediatamente forças de paz da Mauritânia para proteger a população", adiantou Abdoul Ouedraogo à agência France-Presse.

De acordo com o militar, uma segunda patrulha do contingente nepalês foi também enviada para o local, onde a instalação de uma base permitiu "garantir a proteção da população civil" da zona alvo do ataque.

A República Centro-Africana, o segundo país menos desenvolvido do mundo, segundo a ONU, é palco de uma guerra civil, muito mortal nos seus primeiros anos, mas que tem vindo a diminuir de intensidade desde 2018.

O país está mergulhado num cenário de violência sistémica desde 2012, quando uma coligação de grupos rebeldes de maioria muçulmana ganhou o controlo de Bangui, a capital, e derrubou o Presidente François Bozizé, o que originou uma guerra civil.

Apesar da assinatura de um acordo de paz em 2019 e de um cessar-fogo unilateral desde outubro de 2021, dois terços deste país rico em diamantes, urânio e ouro está controlado por milícias e, segundo a ONU, quase 700 mil pessoas abandonaram as suas casas devido à violência.

Estima-se que mais de três milhões de pessoas, 63% da população, precisarão de ajuda humanitária este ano, das quais 2,2 milhões com necessidades graves que, segundo as organizações humanitárias, podem não sobreviver sem a assistência necessária e proteção.

Em 30 de março, a alta-comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, denunciou "graves violações dos direitos humanos", incluindo "assassínios e violência sexual" contra civis, cometidos por grupos rebeldes, mas também pelas forças armadas do regime e pelos seus aliados russos.

Atualmente estão empenhados na RCA 191 militares portugueses no âmbito da Minusca e 45 meios.

Também na RCA, mas no âmbito da missão de treino da União Europeia (EUTM-RCA), estão no terreno 26 militares.

Leia Também: EUA. Tiroteio em Buffalo fez pelo menos oito mortos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório