Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2022
Tempo
16º
MIN 8º MÁX 17º

Abandonaram Mariupol menos pessoas "do que o previsto", diz governador

Pavlo Kyrylenko não adiantou quantas pessoas acabariam por conseguir chegar, em segurança, a Zaporizhzhia.

Abandonaram Mariupol menos pessoas "do que o previsto", diz governador

O governador de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, adiantou, citado pela Reuters, que conseguiram chegar, esta quarta-feira, à cidade sitiada de Mariupol menos autocarros do que o previsto - e que, consequentemente, menos pessoas acabariam por ter a possibilidade de abandonar a cidade que tem vindo a ser severamente atacada pelas forças de Moscovo.

Estas declarações foram proferidas depois de o presidente da câmara de Mariupol, Vadym Boishenko, ter dito, durante a manhã desta quarta-feira, que esperava que 90 autocarros pudessem entrar na cidade e ajudar cerca de 6.000 mulheres, crianças e pessoas idosas a fugir.

"Claro que se reuniram pessoas nos pontos de encontro acordados, mas poucas entraram nos autocarros", adiantou Pavlo Kyrylenko a este propósito, embora não esclarecendo quantas pessoas acabariam por conseguir chegar, em segurança, a Zaporizhzhia.

Os meios de comunicação locais estão, por sua vez, a relatar que os pontos de encontro definidos para este fim tinham sido atingidos pela artilharia russa, provocando o "colapso" do corredor humanitário acordado, segundo a informação avançada pela jornalista Andrea Mitchell, da NBC News.

Kyiv acordou com Moscovo, para esta quarta-feira, a criação de um corredor humanitário para retirar civis de Mariupol, o que aconteceu pela primeira vez desde sábado, disse a vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Verechtchuk. Falta de garantias de segurança estiveram na base da ausência de tal corredor humanitário nos últimos três dias.

Segundo o autarca de Mariupol, cerca de 100 mil civis permaneçam ainda na cidade portuária sitiada, que antes do início da guerra contava com meio milhão de habitantes.

Também esta quarta-feira, a Rússia tinha feito um novo ultimato às forças ucranianas estacionadas na fábrica Azovstal, em Mariupol - pedindo-lhes que largassem as armas. Isto depois  de nenhum dos elementos se ter rendido no período de duas horas estabelecido por Moscovo na terça-feira.

A invasão, que dura desde 24 de fevereiro, já matou quase dois mil civis, segundo dados da ONU, e provocou a fuga de mais de 11 milhões de pessoas - tendo sido condenada pela generalidade da comunidade internacional.

Leia Também: Mariupol. Ucrânia vai trocar prisioneiros russos por corredor humanitário

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório