Meteorologia

  • 04 JULHO 2022
Tempo
27º
MIN 17º MÁX 28º

Moscovo isola-se mais do mundo "a cada míssil" que lança durante a guerra

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse hoje que a Rússia se isola mais da comunidade internacional "a cada dia e a cada míssil que lança na Ucrânia", prometendo trabalhar em conjunto com a Turquia por um cessar-fogo imediato.

Moscovo isola-se mais do mundo "a cada míssil" que lança durante a guerra

"Os ataques da Rússia à Ucrânia continuam e concordamos que deve haver um cessar-fogo imediato", vincou Olaf Scholz, no final de um encontro com o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que decorreu em Ancara.

Para o governante alemão, "todos os dias, a cada míssil que lança, a Rússia isola-se da comunidade internacional".

"Incitamos o Presidente russo [Vladimir Putin] a acabar com isto imediatamente", acrescentou.

Olaf Scholz agradeceu também à Turquia pelos seus esforços na mediação entre Moscovo e Kiev, salientando ainda a importância de Ancara em fechar o estreito de Bósforo para a passagem de navios de guerra russos e ucranianos, para evitar uma escalada do conflito.

O alemão lembrou que o seu governo destinou um orçamento adicional de 100.000 milhões de euros para as suas Forças Armadas e que pretende reforçar a capacidade da NATO na sua fronteira a oriente.

"Somos dois países importantes da NATO e estamos a avaliar o que podemos fazer juntos", garantiu, por seu lado, o chefe de Estado turco.

No entanto, quando questionado sobre a compra de armas da Rússia, Erdogan defendeu que "é cedo" para falar sobre o assunto.

Recep Tayyip Erdogan elogiou os avanços nas relações bilaterais com a Alemanha, o principal mercado das exportações turcas e o seu principal parceiro comercial.

O governante alemão também concordou com a presente harmonia entre estas nações, embora tenha lembrado que não concorda com o turco em questões como o estado de direito e os direitos humanos.

Scholz defendeu o legado da sua antecessora, Angela Merkel, que assinou o acordo com a Turquia sobre refugiados sírios e a política para ajudá-los na Turquia, em vez de facilitar sua chegada à Alemanha.

O chanceler alemão frisou ainda a necessidade de aumentar a produção de energia eólica e solar e de diversificar a origem dos combustíveis fósseis, através de terminais em África, para "não depender da Rússia e poder tomar medidas autónomas, sem estarem ligadas a circunstâncias geopolíticas".

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 564 mortos e mais de 982 feridos entre a população civil e provocou a fuga de cerca de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Leia Também: Putin acusa Kyiv de "violações flagrantes" do direito humanitário

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório