Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
33º
MIN 18º MÁX 37º

Ouvidos tiroteios em Kiev. População aconselhada a fazer cocktail molotov

Ministério da Defesa terá aconselhado os moradores a fazer cocktails molotov para repelir russos.

Ouvidos tiroteios em Kiev. População aconselhada a fazer cocktail molotov
Notícias ao Minuto

23:07 - 25/02/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

Foram ouvidos os primeiros tiroteios na capital ucraniana, Kiev, segundo relatam os meios de comunicação ucranianos e se ouve em vídeos que estão a ser partilhados na rede social Twitter. 

De acordo com vários relatos no Twitter, não confirmados oficialmente, tratar-se-á do bairro de Troieshchyna, em Kiev. 

A agência Reuters relata que o Ministério da Defesa ucraniano já aconselhou os moradores da capital a fazer cocktails molotov para repelir os invasores russos.

Há ainda relatos, e um vídeo que circula no Twitter, de que terão sido detidos russos neste bairro da capital ucraniana. Esta informação, não é, no entanto, confirmada. 

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, já tinha alertado hoje que a noite será muito difícil, mais do que foi o dia. "Apelo a quem  nos defende. Esta noite será muito difícil, e o inimigo usará todas as forças disponíveis para quebrar a resistência dos ucranianos. Precisamos entender o que nos espera. Esta noite temos que nos manter firmes. O destino da Ucrânia está a ser decidido agora", sublinhou. 

"Muitas cidades estão sob ataque: Chernihiv, Sumy, Kharkiv, os nossos meninos e meninas em Donbass, as cidades do sul, atenção especial a Kiev”, apontou lançando ainda um alerta: “Não podemos perder a capital". 

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocaram pelo menos mais de 120 mortos, incluindo civis, e centenas de feridos, em território ucraniano, segundo Kiev. A ONU deu conta de 100.000 deslocados no primeiro dia de combates.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo de seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e motivou reuniões de emergência de vários governos, incluindo o português, e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), União Europeia (UE) e Conselho de Segurança da ONU, tendo sido aprovadas sanções em massa contra a Rússia.

Leia Também: Kiev pronta para falar com Putin para cessar-fogo e paz

Recomendados para si

;
Campo obrigatório