Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Proibição da entrada de viajantes de África "não é uma punição" para EUA

Os Estados Unidos da América (EUA) explicaram quinta-feira que a proibição da entrada de viajantes de apenas oito países africanos, incluindo Moçambique, em território norte-americano, "não é uma punição", mas uma recomendação, apesar da crescente preocupação com a Ómicron.

Proibição da entrada de viajantes de África "não é uma punição" para EUA
Notícias ao Minuto

00:55 - 03/12/21 por Lusa

Mundo Covid-19

"<span class="news_bold">Estamos em contacto diplomático com os líderes desses países sobre as medidas que implementamos", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.

O acesso ao solo norte-americano é proibido a pessoas provenientes da África do Sul, Botswana, Zimbabué, Namíbia, Lesoto, Eswatini (antiga Suazilândia), Moçambique e Malawi, devido a disseminação da nova variante da covid-19, a Ómicron.

"Não se trata de uma punição, são medidas recomendadas pelos nossos responsáveis de saúde e pelos nossos especialistas. Ninguém quer que isto seja permanente", adiantou Jen Psaki, em conferência de imprensa.

As restrições com enfoque em África está a atrair muitas críticas, já que a nova variante da covid-19 é detetada em todo o mundo, inclusive nos EUA.

Até agora, só foram identificados casos de infeção por Ómicron em quatro países africanos (África do Sul, Gana, Nigéria e Botswana).

Os EUA não foram os únicos a tomar medidas restritivas. Muitos países encerraram as suas fronteiras para todos os viajantes provenientes da África do Sul, onde a nova variante foi detetada inicialmente.

O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, denunciou hoje "toda uma forma de apartheid sanitário", cujo país se encontra parcialmente isolado do resto do mundo.

As restrições às viagens impostas à África Austral por muitos países ocidentais equivalem à "afrofobia", denunciando, por seu turno, o Presidente do Malawi, Lazarus Chakwera.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) determinou que, em geral, o encerramento de fronteiras é desnecessário.

Questionada se, diante da disseminação da Ómicron, os EUA iriam impor restrições a outros países afetados ou, pelo contrário, levantariam as existentes, Jen Psaki respondeu: "Vamos estudar os dois" caminhos.

A covid-19 provocou pelo menos 5.223.072 mortes em todo o mundo, entre mais de 262,93 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.471 pessoas e foram contabilizados 1.154.817 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul, tendo sido identificados, até ao momento, 19 casos em Portugal.

Leia Também: EUA sem otimismo sobre regresso do Irão ao acordo nuclear

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório