Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2022
Tempo
13º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

EUA sem otimismo sobre regresso do Irão ao acordo nuclear

O chefe da diplomacia norte-americana, Antony Blinken, disse hoje que os EUA não estão otimistas quanto ao regresso do Irão ao acordo sobre o nuclear, apesar do reinício das negociações, mas considerou haver tempo para o obter.

EUA sem otimismo sobre regresso do Irão ao acordo nuclear
Notícias ao Minuto

19:29 - 02/12/21 por Lusa

Mundo Nuclear

"Devo dizer-vos que as recentes medidas, as recentes declarações, não são de natureza a tornarmo-nos otimistas", indicou Blinken no decurso de uma conferência de imprensa em Estocolmo, à margem de uma reunião da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

"Mas mesmo que o tempo passe, ainda não é demasiado tarde para que o Irão mude de atitude e dialogue de forma significativa num esforço" para recuperar o acordo de 2015 destinado a impedir Teerão de possuir a bomba atómica, acrescentou o chefe da diplomacia de Washington.

Hoje, o primeiro-ministro israelita Naftali Bennett, no decurso de um contacto telefónico, pediu a Blinken o "fim imediato" das negociações sobre o programa nuclear iraniano que foram retomadas na segunda-feira em Viena após cinco meses de interrupção.

Interrogado sobre este pedido, o chefe da diplomacia de Washington não se pronunciou diretamente.

"Vamos saber muito rapidamente, dentro de um ou dois dias, se o Irão é sério, ou não", referiu apenas. "Num futuro próximo poderemos observar se o Irão pretende dialogar de boa-fé", acrescentou.

O designado JCPOA (Plano de Ação Conjunto Global), concluído em 2015 entre o Irão e seis potências (EUA, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha) está moribundo desde 2018, após a administração do então Presidente Donald Trump ter denunciado o acordo para impor a Teerão um verdadeiro bloqueio económico através de pesadas sanções.

Pelo contrário, o acordo de 2015 oferecia a Teerão um levantamento de parte das sanções em troca de uma redução drástica do seu programa nuclear, colocado sob o controlo da ONU.

Em resposta à decisão de Trump, o Irão optou por renunciar aos seus compromissos, e agora exige o fim das sanções como primeira medida para o regresso aos compromissos de 2015.

O atual Presidente dos EUA, Joe Biden, admitiu por sua vez disponibilidade para regressar ao acordo, caso o Irão reimponha as suas restrições nucleares.

Leia Também: EUA anuncia sanções inéditas contra a Rússia se esta atacar a Ucrânia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório