Meteorologia

  • 09 AGOSTO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 30º

COP26. Oceanos cruciais no combate às alterações climáticas

Os oceanos podem ser essenciais para o combate às alterações climáticas, mas a sua proteção continua em segundo plano, lamentou o presidente executivo da Fundação Oceano Azul, em Glasgow, onde decorre a cimeira das Nações Unidas sobre o clima. 

COP26. Oceanos cruciais no combate às alterações climáticas
Notícias ao Minuto

11:35 - 05/11/21 por Lusa

Mundo Fundação Oceano Azul

"Se os oceanos não forem fragilizados, eles vão poder ser um elemento fundamental na luta das alterações climáticas", disse Tiago Pitta e Cunha à Agência Lusa, à margem da 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26).

Porém, considerou que, enquanto "a ação climática está de facto a tornar-se mais importante, está no centro da agenda internacional, a ação oceânica ainda não está em lado nenhum". 

Hoje é o dia dedicado ao Oceano na COP26, mas o tema oficial do programa é juventude e capacitação da sociedade civil. 

O presidente executivo da Fundação Oceano Azul lembrou que na COP25, em Madrid, em 2019, foi declarada solenemente a ligação entre o clima e o oceano, mas sublinhou que o assunto não está suficientemente em destaque na cimeira climática de Glasgow. 

"Falar em clima e não falar do oceano é impossível, porque o oceano é um dos principais fatores nesta dinâmica toda das alterações climáticas. É basicamente graças ao oceano que a humanidade não sofreu com as alterações climáticas porque ele absorve dióxido de carbono e 90% do aquecimento global", argumentou. 

Pitta e Cunha defendeu uma discussão urgente pela comunidade internacional para tomar medidas como a proteção da biodiversidade, o fim da exploração de gás e petróleo 'offshore', o controlo das pescas e a prevenir a poluição marítima. 

Portugal vai ser anfitrião da 2.ª Conferência dos Oceanos em junho de 2022, inicialmente prevista para 2020 mas adiada dois anos consecutivos por causa da pandemia covid-19. 

O encontro é coorganizado com o Quénia e a ONU e pretende definir ações com vista ao cumprimento do ODS14, o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável dedicado à proteção da vida marinha na Agenda 2030 das Nações Unidas.

"Como o mar não pertence a ninguém, ainda há aquela perceção de que não é preciso tratar do mar, que temos que tratar agora das florestas. Eu acho que o mar não pode esperar", avisou. 

A Fundação Oceano Azul foi criada pela Sociedade Francisco Manuel dos Santos e é presidida por José Soares dos Santos, membro da família que controla o grupo Jerónimo Martins. É concessionária do Oceanário de Lisboa. 

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia, na COP26 para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta a entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de covid-19, segundo a ONU, que estima que, ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7 ºC.

Leia Também: COP26. Mar e juventude em dia de estreia de membro do Governo na cimeira

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório