Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
10º
MIN 7º MÁX 15º

Edição

Morte de Max Stahl é "grande perda" para Timor-Leste

O ex-Presidente da República timorense, José Ramos-Horta, considerou hoje que a morte de Max Stahl é uma "grande perda" para Timor-Leste e para o mundo, e que vai causar "profunda consternação e dor" em toda a população timorense.

Morte de Max Stahl é "grande perda" para Timor-Leste
Notícias ao Minuto

23:17 - 27/10/21 por Lusa

Mundo José Ramos-Horta

"Que grande perda para todos nós, para Timor-Leste, para o mundo. Alguém como o Max, de um grande coração, de uma grande dedicação e amor a Timor-Leste (...), ser levado para outro mundo", afirmou à Lusa.

Em 2019 o parlamento timorense deliberou atribuir a nacionalidade ao jornalista britânico Max Stahl, que filmou o massacre de Santa Cruz, em reconhecimento pelo seu papel na luta pela libertação de Timor-Leste.

"Na troca de mensagens com o Max, quando ainda estava mais lúcido, há algumas semanas, eu dizia-lhe: não morras, porque não sei como vamos gerir a situação do drama, da dor do povo timorense. Ele respondeu daquela forma dele, dizendo que 'eu não quero partir, mas a luta continua em todas as frentes'", afirmou.

Ramos-Horta, que tem nas últimas semanas mantido um contacto quase diário com a mulher de Max Stahl, disse que a notícia da morte já era esperada, dado o agravamento de estado de saúde do jornalista.

"Já se sabia que medicamente era irreversível, que era uma questão de dias", afirmou.

A sua morte, disse, será sentida em todo o país, onde o seu nome teve já o reconhecimento do Estado, mas, especialmente, o amor de toda a população.

"Mais do que o reconhecimento do Estado, era o reconhecimento universal em Timor-Leste. A presença dele era conhecida e visível, desde Santa Cruz, até hoje. E então era uma figura muito querida", disse.

Max Stahl -- jornalista que filmou o massacre de Santa Cruz a 12 de novembro de 1991 -- foi condecorado com o Colar da Ordem da Liberdade, o mais alto galardão que pode ser dado a um cidadão.

Christopher Wenner, que começou a ser conhecido como Max Stahl, iniciou a sua ligação a Timor-Leste a 30 de agosto de 1991 quando, "disfarçado de turista", entrou no território para filmar um documentário para uma televisão independente inglesa.

Entrevistou vários líderes da resistência e, depois de sair por causa do visto, acabou por regressar, entrando por terra, acabando, a 12 de novembro desse ano por filmar o massacre de Santa Cruz.

Morreu hoje num hospital da cidade de Brisbane, vítima de doença prolongada.

A resolução do parlamento timorense em 2019 recomendava ao Governo "proceder ao registo do processo de naturalização de Max Stahl e emitir com a maior brevidade possível toda a documentação relevante".

"Durante o longo e difícil percurso rumo à independência, Timor-Leste contou com o apoio genuíno e incansável de muitos amigos, com os quais o povo timorense estabeleceu fortes laços de amizade. Max Stahl é um desses grandes amigos", afirmou.

"Num dos momentos mais difíceis vividos em Timor-Leste durante a ocupação estrangeira, o profissionalismo, coragem e tenacidade de Max Stahl contribuíram de forma inestimável para que a luta do nosso povo fosse vista no palco internacional", refere ainda.

Sublinhando o "profissionalismo e rigor" da sua carreira, o Parlamento timorense refere ainda o "caráter destemido de Max Stahl que deu a conhecer ao mundo o Massacre de Santa Cruz e os atos de crueldade e violações dos direitos humanos perpetrados contra os timorenses".

Uns meses antes de receber a nacionalidade timorense, Max Stahl foi condecorado pelo Presidente da República timorense, Francisco Guterres Lú-Olo, que destacou a sua nobreza e coragem em defesa do direito à autodeterminação.

"Alguém que, com tanta nobreza, arriscou a sua vida em horas de extrema gravidade e que se entregou totalmente ao nosso país, ganhou o direito de ser cidadão timorense", afirmou na altura Francisco Guterres Lu-Olo.

"O nosso irmão Max Stahl é tão timorense quanto nós. Solicito ao Parlamento Nacional a atenção para este caso, por uma questão da mais elementar justiça", disse.

Leia Também: Jornalista Max Stahl morreu em Brisbane, vítima de doença prolongada

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório