Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Mata adolescente com amigos para descobrir se era psicopata

Os suspeitos já foram detidos. Vítima tinha 18 anos e foi escolhida por ser pequena e menos resistente.

Mata adolescente com amigos para descobrir se era psicopata

As autoridades brasileiras detiveram, esta quarta-feira, três jovens por suspeitas de terem matado uma rapariga, de 18 anos, que foi encontrada sem vida, numa mata de Goiânia, seis dias depois de ter saído de casa para lanchar com, alegados, amigos.

De acordo com o G1, os detidos são duas raparigas e um rapaz, com idades compreendidas entre os 18 e os 22 anos.

À publicação brasileira, o delegado responsável pela investigação do crime revelou que Ariane foi morta porque Raíssa, uma das suspeitas, desejava saber se era psicopata ou não. Para isso, ela teria de matar alguém e avaliar a sua reação após a morte.

A vítima não terá sido escolhida por um motivo específico. Foi ela como poderia ter sido outras duas pessoas que estavam nomeadas numa lista. Apenas foi Ariane porque esta era mais pequena e menos resistente.

Ainda segundo a polícia, o crime foi cometido dentro de um carro. Os homicidas escolheram uma música cuja letra falava de um assassinato. A certa altura, enquanto a canção ainda tocava, um deles estalou os dedos, dando assim o sinal para Raíssa matar Ariane.

O cenário a seguir é de terror. Os suspeitos estrangularam a vítima até esta desmaiar, para depois a esfaquear.

De seguida, colocaram o corpo no porta-bagagens, forrado com sacos do lixo, e transportaram-no até a uma mata.

Quando as autoridades chegaram ao grupo, estes confessaram de imediato o crime e entregaram a arma do crime. A faca ainda tinha restos de sangue.

Leia Também: Português extraditado do Brasil para cumprir pena por homicídio em Lisboa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório