Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Beirute. Libaneses marcam aniversário de incidente com protestos

Com dor e raiva, os libaneses começaram a chegar hoje ao centro de Beirute para marcar o primeiro aniversário da explosão devastadora e mortal no porto, e protestar contra a impunidade da classe política nesta tragédia.

Beirute/Explosões: Libaneses marcam aniversário de inidente e protestam contra impunidade - Beirute, 04 ago 2021 (Lusa) -- Com dor e raiva, os libaneses começaram a chegar hoje ao centro de Beirute para marcar o primeiro aniversário da explosão devastadora e mortal no porto, e protestar contra a impunidade da classe política nesta tragédia.

Notícias ao Minuto

14:29 - 04/08/21 por Lusa

Mundo Beirute/Explosões

Ao discursar na abertura de uma conferência de ajuda internacional aos libaneses, o Presidente francês, Emmanuel Macron, voltou a acusar os líderes libaneses de bloquear a formação de um novo Governo e a investigação do incidente, tendo prometido 100 milhões de euros de ajuda direta à população.

No final da conferência, Mácron anunciou que a angariação do valor-alvo do evento -- 300 milhões de euros - foi reunido e será canalizado para a ajuda humanitária necessária ao país.

A conferência virtual de quarta-feira, co-organizada pela França e as Nações Unidas, teve como objetivo mostrar o apoio ao povo libanês, disse o Presidente francês.

Em 04 de agosto de 2020, pouco depois das 18:00 locais (16:00 em Lisboa), centenas de toneladas de nitrato de amónio armazenadas durante anos num armazém degradado e "sem medidas de precaução" explodiram na capital libanesa.

A explosão causou 214 mortes, mais de 6.500 feridos e bairros inteiros destruídos, aprofundando as dificuldades de um país a viver a pior crise socioeconómica da sua história e liderado por uma classe política acusada de corrupção e inércia.

Para exigir justiça, as famílias das vítimas e ativistas organizam hoje manifestações, vigílias à luz de velas e cerimónias religiosas em frente ao porto ou perto do Parlamento.

De bandeira nacional em punho, alguns libaneses juntaram-se em pequenos grupos em direção ao centro de Beirute ou para perto do porto, com o exército e a polícia a multiplicarem barreiras para fechar as principais avenidas da zona ao tráfego, segundo um correspondente da agência de notícias France-Presse.

No quartel de bombeiros do bairro de Karantina, próximo do porto, estavam sentados familiares das vítimas, algumas mulheres vestidas de preto, segurando retratos de parentes mortos.

Na segunda-feira, as famílias das vítimas ameaçaram "partir os ossos" a qualquer pessoa que se opusesse à sua raiva nas ruas.

Entre essas vítimas encontram-se bombeiros, funcionários do porto, automobilistas ou residentes com casas na zona, quando as janelas estilhaçaram e os móveis voaram.

Apesar da dimensão da tragédia que abalou o mundo inteiro, a investigação local não apresentou resultados concretos e nenhum culpado foi julgado, apesar de alguns ex-ministros estarem ainda na mira da justiça.

Os líderes libaneses são acusados de fazerem tudo para sabotar a investigação e evitar as acusações, argumentando uma alegada imunidade.

Mesmo que, um ano depois, algumas feridas tenham cicatrizado, os bairros tenham sido reconstruídos, graças a organizações não-governamentais e voluntários -- o Estado pouco ou nada fez --, a nação continua traumatizada.

Uma em cada três famílias tem filhos que apresentam sinais de "'stress' psicológico", segundo a Unicef, e o caso piora entre os adultos já que afeta um em cada dois.

Após um ano, a investigação não determinou oficialmente as causas da explosão, que aconteceu após um incêndio num hangar, que segundo as fontes de segurança foi provocado por trabalhos de soldadura.

Segundo a Amnistia Internacional, as autoridades "atrapalharam descaradamente a procura pela verdade".

O país espera ainda por um Governo que deve dar início às reformas exigidas pela comunidade internacional em troca da tão necessária ajuda, após a renúncia do então primeiro-ministro Hassan Diab, poucos dias após a explosão.

Praticamente inalterada desde a guerra civil (1975-1990), a classe política é acusada de negligência, corrupção e de estar desligada da realidade.

Enquanto isso, o país afunda: agravamento da pobreza, queda livre da moeda local, restrições bancárias sem precedentes, hiperinflação, combustível e medicamentos esgotados e até ter eletricidade se tornou um luxo.

Como se a situação não fosse suficiente, o Líbano disparou foguetes contra Israel, dois países vizinhos tecnicamente em guerra, resultando em represálias em território libanês, mas sem vítimas.

Leia Também: Investigação sobre explosão do porto de Beirute praticamente paralisada

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório