Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

China anuncia sanções a entidades e cidadãos dos Estados Unidos

Pequim anunciou na sexta-feira sanções a sete entidades e cidadãos norte-americanos, como resposta a um alerta dos Estados Unidos sobre a deterioração das liberdades em Hong Kong.

China anuncia sanções a entidades e cidadãos dos Estados Unidos

Esta medida surge dias antes da visita de um membro do Governo de Biden à China e numa altura em que as relações entre Pequim e Washington se deterioraram drasticamente, devido às tensões em questões como direitos humanos, comércio, segurança informática ou a origem da pandemia de covid-19.

Na semana passada, os Estados Unidos alertaram as empresas norte-americanas para os "riscos crescentes" de fazerem negócios em Hong Kong, na sequência de medidas tomadas pela China naquele grande centro financeiro, noticia a agência AFP.

No comunicado, os norte-americanos destacavam a mudança no ambiente promovida por Pequim com a nova lei de segurança nacional e a prisão de um cidadão norte-americano, John Clancey, um conhecido advogado de direitos humanos.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China realçou, no comunicado, que o objetivo deste alerta dos EUA é "manchar o ambiente de negócios de Hong Kong" e "violar gravemente a lei internacional e os padrões básicos que regem as relações internacionais".

Pequim anunciou ainda, em resposta, que vai impor sanções a sete indivíduos e entidades norte-americanas, sem especificar a natureza destas.

Entre os cidadãos sancionados está o ex-secretário do Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, que enquanto ocupou aquele cargo expandiu a lista de empresas de China que não podem negociar com empresas dos EUA sem uma licença prévia, incluindo as gigantes chinesas das telecomunicações Huawei e ZTE.

Também são visados Carolyn Bartholomew, presidente da Comissão de Monotorização de Segurança e Economia entre os EUA e China, Adam King, do Instituto Republicano Internacional, Sophie Richardson, diretora da organização não governamental 'Human Rights Watch' e ainda Conselho Democrático de Hong Kong para a China, com sede em Washington.

Esta decisão surge dias antes da vice-secretária de Estado norte-americana, Wendy Sherman, visitar a cidade de Tianjin, no nordeste da China, nos dias 25 e 26 de julho, onde reunirá com diplomatas chineses.

O encontro entre Sherman e Xie é o primeiro presencial entre emissários de alto nível dos Estados Unidos e da China após a cimeira realizada em março passado, no Alasca, na qual o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, e o chefe das relações externas do Partido Comunista Chinês, Yang Jiechi, protagonizaram uma tensa discussão.

Leia Também: China entrega hoje a Cabo Verde campus universitário de 50 MEuro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório