Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

EUA lamentam que iranianos tenham sido privados de escrutínio "livre"

O Governo dos Estados Unidos lamentou hoje que os iranianos não tenham participado num "processo eleitoral livre e honesto", após vitória do ultraconservador Ebrahim Raisi nas eleições presidenciais.

EUA lamentam que iranianos tenham sido privados de escrutínio "livre"
Notícias ao Minuto

23:56 - 19/06/21 por Lusa

Mundo EUA/Irão

Numa primeira reação norte-americana após o escrutínio de sexta-feira, um porta-voz do Departamento de Estado considerou que "os iranianos foram privados do seu direito a escolher os seus próprios dirigentes através de um processo eleitoral livre e honesto", mas acrescentou que os Estados Unidos vão continuar a participar nas negociações sobre o nuclear iraniano.

Ebrahim Raisi, proclamado hoje vencedor das eleições presidenciais de sexta-feira no Irão, é um clérigo ultraconservador próximo do Guia supremo e responsável pelo poder judicial desde 2019 por decreto de Ali Khamenei.

De acordo com os dados oficiais, o novo chefe de Estado garantiu 61,69% dos votos expressos e com uma taxa de participação de 48,8% entre os cerca de 59 milhões de eleitores, a mais baixa de todas as presidenciais celebradas na República Islâmica.

Proveniente de uma família religiosa em Mashad (nordeste do país), Raisi apresentou-se como candidato às presidenciais de 2017 e obteve 15 milhões de votos (38,5%), sendo o principal rival do ainda Presidente Hassan Rohani, que foi reeleito.

A situação no Irão alterou-se nos últimos quatro anos após a reeleição de Rohani, considerado um moderado e que agora conclui o seu segundo e último mandato consecutivo.

O bloco conservador do país arrasou nas legislativas de 2020, encaradas como um prelúdio do desfecho das presidenciais, e após os candidatos reformistas ou moderados com certas possibilidades terem sido vetados pelo Conselho dos Guardiães, órgão do sistema político que acumula das funções de Conselho constitucional e Comissão eleitoral.

Cinco dos sete candidatos que disputaram a presidência eram conservadores ou conotados com a "ala dura", onde se incluía Ebrahim Raisi, e os restantes dois apontados como reformistas ou moderados apresentavam um modesto perfil.

As eleições presidenciais no Irão surgem num momento crucial, com graves problemas económicos a nível interno acentuados pelas duras sanções impostas pelos Estados Unidos, e caracterizado pelas desconfianças entre potência xiita e os países envolvidos nas novas conversações sobre o acordo nuclear, que poderão aprofundar a fratura entre Teerão e o ocidente.

Leia Também: Ultraconservador Raissi vence eleições presidenciais no Irão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório