Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 6º MÁX 18º

Edição

Partido de extrema-direita terá dobrado votação no Chipre

O partido de extrema-direita ELAM deverá ter quase dobrado a votação, nas eleições legislativas de hoje de Chipre, de acordo com várias sondagens à boca das urnas.

Partido de extrema-direita terá dobrado votação no Chipre

Os resultados de cinco sondagens, divulgadas por cinco canais de televisão de Chipre (quatro privados e o canal público CyBC) logo após o encerramento das urnas, dão os dois maiores partidos -- o DISY, de centro-direita, e o AKEL, com origem no Partido Comunista -- como líderes das eleições, em primeiro e segundo lugar, respetivamente.

Além disso, as cinco sondagens mostram o ELAM numa disputa com o partido de centro-esquerda EDEK pelo terceiro lugar, com o partido de extrema-direita a aumentar significativamente a votação, depois de ter sido o oitavo partido mais votado em 2016, com 3,7% dos votos.

A sondagem da televisão pública dá ao ELAM uma votação entre os 5% e os 7%. Já a do canal privado OMEGA prevê para o ELAM uma votação entre os 6,5% e os 9,5%.

Nas cinco sondagens, o partido de centro-direita DIKO é o quarto mais votado.

As eleições legislativas não afetam a gestão do Governo na ilha dividida de Chipre, visto que o poder executivo está nas mãos do Presidente, eleito em outro ato eleitoral.

Os 558 mil eleitores de Chipre tiveram hoje que escolher entre 21 partidos para os 56 lugares cipriotas-gregos do Parlamento.

A República de Chipre, dois terços do território, atualmente com cerca de 850.000 habitantes onde predomina a população de origem grega cristã ortodoxa e as minorias arménia e maronita, foi fundada em 1960 após a sua libertação da ocupação britânica, mas a ilha apenas esteve unida de facto durante três anos, quando se iniciaram os conflitos entre as duas principais comunidades, num território onde predomina a população de origem grega.

Em 1974, a tentativa de Enosis (união à Grécia) implicou a divisão na ilha na sequência da invasão militar da Turquia, dolorosas trocas de populações e a ocupação da parte norte, onde nove anos depois será criada RTCN, habitada pelos cipriotas turcos de religião muçulmana (perto de 300 mil habitantes) e apoiada pela Turquia a nível militar, económico, demográfico e diplomático.

O progressivo afastamento das duas comunidades tentou ser contrariado pelo Presidente cipriota grego Dimitri Christofias (do AKEL) entre 2008 e 2013 e Mehmet Ali Talat, social-democrata e líder do lado turco entre 2005 e 2010.

Mas o nacionalismo prevaleceu -- o referendo em abril 2004 sobre o plano da ONU para a reunificação foi apenas aprovado pela parte turca poucos dias antes da adesão da República de Chipre à UE --, e o lado grego comprovou ainda não estar preparado para uma solução.

Assim, o atual Presidente de direita Nicos Anastasiades, que batalhou pelo "sim" em 2004, também evitou concluir um acordo nas conversações de Crans-Montana em julho de 2017.

Os nacionalismos continuam a impregnar a igreja, as forças armadas, os 'media', as escolas. E na parte grega, a igreja ortodoxa não esconde as suas simpatias pela Frente Popular Nacional (ELAM), o partido de extrema-direita que elegeu dois deputados nas legislativas de 2016.

Nas presidenciais de 2018 o seu líder Christos Christou obteve 5,65%, contra os 0,88% obtidos em 2013.

Nesse ano, e devido à crise do sistema financeiro, o Governo de Chipre aceitou um memorando proposto pela "troika" de credores.

O ELAM desencadeou de imediato, à semelhança dos congéneres da Aurora Dourada na Grécia, um programa de apoio social aos mais desfavorecidos. No entanto, parte da sua força vem dos estádios de futebol, quando iniciou o recrutamento entre as claques do APOEL de Nicósia.

Leia Também: Governo retira Chipre, Lituânia e Suécia de lista de países de risco

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório