Meteorologia

  • 15 JUNHO 2021
Tempo
32º
MIN 17º MÁX 32º

Edição

Luanda: Desalojados após chuvas voltam a dormir ao relento e pedem ajuda

Famílias que viram as suas casas desabar, em Luanda, devido às chuvas torrenciais de segunda-feira, choram a morte de três crianças e a perda dos seus haveres, preparando-se para passar a segunda noite ao relento.

Luanda: Desalojados após chuvas voltam a dormir ao relento e pedem ajuda
Notícias ao Minuto

20:20 - 20/04/21 por Lusa

Mundo Angola

"Desta vez foi coisa grave, a chuva começou às 05 horas da manhã, então quando a parede da escola cai, toda a água voltou para cá, aí saíram duas mortes, aqui a parede da minha casa desabou", contou à Lusa Joana Damião.

Com a residência parcialmente desabada, a moradora do bairro da Encib recordou que passou a noite de segunda-feira ao relento e pede às autoridades que acautelem mais perdas de vida.

"Ontem dormimos na rua, só quero que nos olhem, queremos sítio para viver porque isso é coisa grave, já dormimos na água e hoje vamos dormir na água, por favor nos olhem, está muito mal", atirou.

O bairro da Encib, no distrito urbano do Sambizanga, é um dos mais afetados pelas chuvas de segunda-feira em Luanda e os populares, que viram as suas habitações arrasadas pela enxurrada, receiam pelo pior.

Pelo menos três crianças morreram no bairro da Encib devido à derrocada das casas, situação que amplia o lamento dos moradores que clamam pela intervenção das autoridades e alojamento num local seguro.

No local, os escombros dão as boas-vindas aos visitantes e transeuntes que por aí circulam e não escapam ao enorme lamaçal que se estende pela zona.

Enquanto uns ainda retiram águas do interior das residências, outros procuram resgatar os seus haveres, adornados pela lama infindável, enquanto o desespero toma conta de outros populares que, com semblante carregado, "rogam para não voltar a chover".

Crianças e adultos, empenhados em reaver o pouco que lhes restou, pedem ajuda às autoridades, sobretudo para "acomodação em local seguro e bens alimentares para a sua sobrevivência", como referiu uma das moradoras.

Julieta Kemba, 21 anos, que viu igualmente a sua residência ser deitada abaixo pela força da água, falou do drama que a sua família enfrenta descrevendo a sua situação como "péssima e desagradável".

"Vivo com os filhos e não sei onde vou, porque para podermos conseguir ainda pregar no sono foi só pela boa vontade dos vizinhos, porque a casa está totalmente no chão", lamentou.

Queixas também exteriorizadas por Marcelina Domingos, que viu a residência dos pais transformada em escombros e solidarizou-se com a morte de três crianças no bairro.

Casas desabadas, ruas intransitáveis, pelo menos 14 mortos são algumas das consequências das chuvas que caíram na segunda-feira em Luanda e que não pouparam a conhecida ponte do Kamorteiro, no município do Talatona, que viu ruir uma das suas lajes.

O desabamento de uma das lajes de transição da passagem que liga os distritos de Talatona e do Patriota, sul de Luanda, forçou as autoridades a interditarem a ponte, enquanto os populares pedem a reabilitação total da infraestrutura.

"A corrente de água é que fez cortar a circulação e, se chover mais, a circulação pode estar cortada por completo. É necessário que reabilitem a ponte por completo não apenas a parte que ruiu", defendeu Charles José em declarações à Lusa.

Já o moto-taxista Miala Mateus considerou que o desabamento de uma das partes da ponte "é fruto de negligência do empreiteiro e das autoridades", porque após a sua reabilitação a mesma "já mostrava sinais de insegurança".

"O que acontece no nosso país é que o Governo quer dar as obras nas mãos de pessoas que não conhecem o país, porque ela foi reabilitada, gastou milhões de dólares, mas desabou em tempo curto", atirou Mateus.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório