Meteorologia

  • 14 MAIO 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Myanmar. Enviada da ONU pede ação internacional em nome da democracia

A enviada da ONU a Myanmar, Christine Burgener, que está proibida de entrar no país, condenou hoje "veementemente" as mais recentes medidas tomadas pela junta militar no poder, pedindo uma ação internacional para um regresso à democracia.

Myanmar. Enviada da ONU pede ação internacional em nome da democracia
Notícias ao Minuto

15:49 - 26/02/21 por Lusa

Mundo Myanmar

"Condeno veementemente as recentes medidas tomadas pelos militares e peço a todos para enviarem coletivamente um sinal claro em favor da democracia em Myanmar", disse a diplomata aos 93 membros da Assembleia Geral ONU, numa comunicação por vídeo endereçada à sessão especial sobre aquele país.

"O uso de força letal e o aumento das mortes (são) inaceitáveis", disse Burgener, no seu apelo à comunidade internacional.

"As ações do exército não são justificáveis e devemos continuar a pedir a reversão desta situação inadmissível, esgotando todos os canais coletivos e bilaterais para devolver Myanmar ao caminho da reforma democrática", acrescentou a enviada da ONU.

Burgener confirmou que o seu desejo de visitar Myanmar foi até agora impedido pela junta militar, reafirmando que a sua deslocação deve ser feita na condição de que possa encontrar-se com os líderes políticos detidos, incluindo Aung San Suu Kyi.

"Infelizmente, até agora, o regime atual pediu-me para adiar qualquer visita. Parece que querem continuar fazendo detenções em grande escala", lamentou a diplomata.

"É cruel e desumano. (...) Se houver uma escalada em termos de brutalidade militar - e infelizmente já vimos isso em Myanmar - contra pessoas que exercem os seus direitos fundamentais, vamos agir rápida e coletivamente", exigiu a enviada da ONU.

Os militares justificam o golpe de estado alegando fraude eleitoral cometida nas eleições legislativas de novembro passado, nas quais a Liga Nacional para a Democracia, partido de Suu Kyi, venceu por esmagadora maioria.

Tanto os observadores internacionais como a comissão eleitoral deposta pela junta militar após a tomada do poder, negaram a existência de irregularidades, apesar da insistência de alguns comandantes do Exército, cujo partido detém 25% dos lugares no Parlamento.

A comunidade internacional tem anunciado sanções contra os líderes do golpe militar, incluindo o general Min Aung Hlaing, presidente do Conselho Administrativo de Estado e autoridade máxima em Myanmar.

Na quinta-feira, a rede social Facebook bloqueou todos os perfis relacionados com o novo regime em Myanmar, incluindo os do Governo e dos meios de comunicação agora controlados pela junta militar, devido ao "grave registo de violações dos direitos humanos cometidas pelo Exército e o óbvio risco de incidentes violentos incitados pelos militares".

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório