Meteorologia

  • 16 OUTUBRO 2021
Tempo
25º
MIN 15º MÁX 27º

Edição

Myanmar: Pequim pede à comunidade internacional que não complique

A China apelou hoje à comunidade internacional para não "complicar ainda mais a situação" em Myanmar (antiga Birmânia), antes de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU, na sequência do golpe de Estado.

Myanmar: Pequim pede à comunidade internacional que não complique
Notícias ao Minuto

10:49 - 02/02/21 por Lusa

Mundo Golpe

Pequim, que tem importantes interesses estratégicos e económicos no seu vizinho do sul, é tradicionalmente hostil à "interferência" nos assuntos internos dos Estados e à imposição de sanções internacionais.

Depois de pedir às partes que "resolvam as suas disputas", de acordo com as leis e a Constituição do país, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China pediu hoje à comunidade internacional "que contribua para a estabilidade política e social" no Myanmar.

O Conselho de Segurança da ONU deve realizar uma reunião de emergência sobre a situação no país durante o dia de hoje.

O porta-voz da diplomacia chinesa Wang Wenbin pediu que se evite a escalada do conflito e se complique ainda mais a situação.

O presidente dos EUA, Joe Biden, ameaçou na segunda-feira impor sanções contra Myanmar, depois de os militares tomarem o poder e prenderem os principais líderes civis do país, incluindo a Nobel da Paz e líder de facto, Aung San Suu Kyi.

Na China, a imprensa oficial recorreu hoje a eufemismos para reportar a situação no país vizinho, evitando cuidadosamente usar o termo "golpe".

A agência noticiosa oficial Xinhua falou de uma "grande remodelação do gabinete", para se referir à substituição de ministros civis por militares.

Citando "especialistas", o jornal oficial em inglês Global Times referiu-se ao golpe militar como "ajuste à estrutura de poder desequilibrada".

O jornal culpou ainda o ex-presidente dos EUA Donald Trump pelo comportamento dos militares do Myanmar.

"Ao se recusar a admitir a sua derrota eleitoral e aparentemente encorajar distúrbios no Capitólio, Trump pode ter servido de exemplo para os militares do Myanmar", acusou o Global Times.

Leia Também: Myanmar: Centenas de deputados em detenção domiciliária

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório