Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2021
Tempo
11º
MIN 5º MÁX 15º

Edição

MNE aprovam relatório sobre implicações que China terá para a Aliança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, anunciou hoje que os ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança aprovaram um relatório que "analisa o desenvolvimento militar" da China e as implicações que terá para a NATO.

MNE aprovam relatório sobre implicações que China terá para a Aliança
Notícias ao Minuto

18:52 - 02/12/20 por Lusa

Mundo NATO

"Concordámos num relatório abrangente, que analisa o desenvolvimento militar da China, a sua atividade crescente na nossa vizinhança e as implicações que tem para a resiliência da NATO, incluindo no que se refere à fusão de tecnologias e à nossa infraestrutura crítica", referiu Stoltenberg em conferência de imprensa.

As declarações foram feitas após uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) que contou também com a presença de parceiros do Japão, Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul, tendo o tema principal sido "a mudança global no equílibrio de poder com a ascensão da China".

À saída, Stoltenberg referiu que a China "não é um adversário" da Aliança, e pode criar "novas oportunidades" no tema do comércio ou do clima, mas "cria desafios".

"A China tem o segundo maior orçamento de defesa no mundo e está a investir fortemente em novas capacidades [militares]. E a China não partilha os nossos valores, mina os direitos humanos, intimida outros países e está a envolver-se cada vez mais numa competição sistémica connosco", sublinhou o secretário-geral.

Stoltenberg instou assim a "comunidade de democracias com ideias semelhantes" a "trabalhar em conjunto" de maneira a "reforçar a resiliência das sociedades, economias, instituições" e "defender a ordem [mundial] baseada em regras".

Para tal, o secretário-geral referiu que foram discutidas novas medidas de cooperação com os parceiros da NATO que vão da "partilha de informações" à "promoção de abordagens comuns incluindo no ciberespaço ou no fortalecimento global de regras e normas sobre, por exemplo, no controlo de armas".

"Nos últimos anos, vimos uma mudança significativa na nossa compreensão da China e uma crescente convergência dos pontos de vista tanto dentro da NATO, como com os nossos parceiros", frisou Stoltenberg.

Frisando que a NATO tem de ter "uma abordagem mais global" no futuro, Stoltenberg sublinhou, ainda assim, que a Aliança se mantém disposta a cooperar com a China.

"Mantemo-nos preparados para colaborarmos com a China -- como, aliás, já o estamos a fazer -- enquanto potência emergente. Mas, enquanto potência emergente, a China também tem de respeitar a ordem internacional baseada em regras", afirmou o secretário-geral da Aliança.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO estiveram reunidos virtualmente esta terça e hoje tendo discutido, além da China, o fortalecimento da presença militar da Aliança no mar Negro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório