Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Lula e Zapatero entre 100 políticos que querem libertação de Assange

Mais de 100 políticos, incluindo o antigo primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva, pediram a libertação do fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

Lula e Zapatero entre 100 políticos que querem libertação de Assange
Notícias ao Minuto

06:29 - 21/09/20 por Lusa

Mundo Julien Assange

Treze antigos e atuais chefes de Estado e de Governo, numerosos deputados e diplomatas de 27 países assinaram uma carta promovida pela organização internacional de advogados "lawyers4asange" na qual se pede ao Reino Unido a suspensão da extradição para os EUA e em que se denuncia "a ilegalidade" do julgamento contra Assange, segundo um comunicado.

Na carta, os advogados e peritos jurídicos sustentam que o julgamento de extradição instigado pelos EUA, que acusa o australiano de 18 alegados crimes de espionagem e intrusão informática, "viola o direito nacional e internacional e os direitos a um julgamento justo e outros direitos humanos" e "ameaça a liberdade de imprensa e a democracia".

Entre os políticos que assinam o texto estão o ex-líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn; os ex-chefes de Estado do Brasil, Dilma Roussef; da Argentina, Alberto Fernández; da Colômbia, Ernesto Samper; da Bolívia, Evo Morales; ou do Paraguai, Fernando Lugo; bem como o atual Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A iniciativa junta-se a outras campanhas promovidas para obter a libertação do jornalista (que se encontra em prisão preventiva), incluindo uma da Amnistia Internacional (AI) na qual pede a Washington que retire as suas acusações, que já recolheu mais de 400.000 assinaturas.

Assange, 49 anos, enfrenta a terceira semana do seu julgamento de extradição em Londres na segunda-feira por causa das revelações no seu 'website' WikiLeaks, que rejeita como sendo de motivação política.

Para além de questionar a legalidade do processo, a organização "lawyers4assange" queixa-se que o princípio britânico de "justiça aberta" e transparência foi posto em causa ao não permitir o acesso à sala, mesmo remotamente, a "observadores independentes" como a AI e deputados de vários países.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório