Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2020
Tempo
20º
MIN 16º MÁX 25º

Edição

ONG considera barbaridade execução de mulher por alegados militares

O diretor do Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD), organização não-governamental moçambicana, qualificou como barbaridade imagens de vídeo de uma mulher a ser executada por homens com os mesmos uniformes das forças armadas, acusando o Governo de tolerar abusos.

ONG considera barbaridade execução de mulher por alegados militares

"O vídeo de ontem [segunda-feira] é claramente uma situação de barbaridade, de violação dos direitos humanos", afirmou Adriano Nuvunga, em declarações aos jornalistas em Maputo.

Nuvunga assinalou que o caso "é apenas a ponta do iceberg" da violação grosseira de direitos humanos por partes das Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas, recordando que inúmeros episódios de atropelos têm sido referidos em relatórios nacionais e internacionais, nomeadamente no conflito contra insurgentes em Cabo Delgado, norte do país.

"Dá a ideia de que [o Governo] compactua com estas violações dos direitos humanos", frisou o diretor do CDD.

Adriano Nuvunga avançou que o caso da mulher abatida a sangue frio por supostos membros das Forças Armadas de Defesa de Moçambique deve ser investigado para que os seus autores sejam judicialmente responsabilizados.

"Não é com comunicados que se resolvem estas situações, resolvem-se com ações concretas", sublinhou.

As forças armadas, prosseguiu, devem pautar a sua atuação pelo respeito para com as leis nacionais e internacionais que defendem os direitos humanos, principalmente no caso de civis.

Na sequência das imagens, o Ministério da Defesa de Moçambique emitiu hoje um comunicado de imprensa em que considera que o caso deve ser investigado.

O vídeo começou a circular dias depois de a Amnistia Internacional ter pedido às autoridades moçambicanas que investiguem alegados abusos por parte das suas forças em Cabo Delgado, com base noutros vídeos que mostram torturas e vítimas de execuções sumárias.

O ministro do Interior moçambicano disse também hoje que o Governo suspeita haver um núcleo que produz desinformação para denegrir as FDS do país, servindo assim os interesses dos grupos "terroristas" que atacam a província nortenha e que usam as mesmas fardas que os militares para ações de propaganda e subversão.

Os confrontos em Cabo Delgado duram há três anos e estão a provocar uma crise humanitária com mais de mil mortos e cerca de 250.000 deslocados internos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório